CRUZEIRO

Pouco efetivo no setor ofensivo, Cruzeiro de 2016 tem sua pior média de gols desde 1997

Levantamento considera as oito primeiras partidas do clube em cada temporada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 29/02/2016 16:30 / atualizado em 29/02/2016 16:52

Gazeta Press

Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Parece até ironia, mas os números deixam claro que o ataque vem sendo o grande “calcanhar de Aquiles” do técnico Deivid no Cruzeiro. Com passagem marcante pelo clube mineiro em 2003, quando marcou 28 gols com a camisa celeste, o ex-atacante está longe de ter, como treinador, a mesma “veia artilheira” dos tempos em que ainda calçava chuteiras.

Com uma equipe pouco agressiva e muito lenta no ataque, Deivid não tem conseguido implantar na Toca da Raposa a sua filosofia de futebol rápido e ofensivo, que vem sendo amplamente comentada pelo treinador desde o fim do ano passado, quando ele foi efetivado no cargo de técnico do Cruzeiro.

O reflexo está nas estatísticas. Levando-se em conta as oito primeiras partidas da temporada, o atual elenco cruzeirense apresenta a pior média de gols marcados por jogo – 1,375 – desde 1997, quando a equipe celeste, comandada pelos técnicos Oscar Bernardi, Wantuil Rodrigues e Paulo Autuori, assinalou uma média de somente 1,25 gol por partida. No entanto, vale lembrar que, naquele ano, a Raposa, em duas partidas do Campeonato Mineiro, contra Villa Nova e América, utilizou o chamado “expressinho” (time misto), tendo em vista o confronto de datas entre o Estadual e a Copa Libertadores

Ciente do desempenho pífio do seu sistema ofensivo, o técnico Deivid, após a partida desse domingo, em que Cruzeiro marcou apenas um gol e acabou empatando por 1 a 1 com o América, no Mineirão, reconheceu que tem faltando eficiência ao ataque para que o time celeste apresente os resultados desejados pela comissão técnica e torcida.

“O time evoluiu, mas é claro que quero mais. Se você me perguntar se estou satisfeito, vou falar que não, porque quero ganhar sempre. Quero que meu time jogue ‘por música’. O que está faltando para nós é aproveitarmos as oportunidades que nós estamos tendo nas partidas. Queria que o time estivesse ‘voando’, ganhado de três, de quatro, de cinco, mas o futebol não é assim. No futebol, você tem que formar um grupo, uma equipe, dar um padrão para que a gente possa estar bem”, comentou o comandante cruzeirense.

Bastante questionado e pressionado no clube celeste, Deivid terá uma semana inteira para finalmente garantir ao time celeste um rendimento convincente, principalmente no ataque, na próxima rodada do Campeonato Mineiro, quando o Cruzeiro visita a Caldense, no domingo, às 18h30, no Ronaldão, em Poços de Caldas.

Oito primeiras partidas do Cruzeiro em 2016:

20/01 – Rio Branco-ES 0 x 2 Cruzeiro, amistoso
27/01 – Criciúma 1 x 1 Cruzeiro, pela Primeira Liga
31/01 – Cruzeiro 0 x 0 URT, pelo Campeonato Mineiro
03/02 – Tombense 1 x 2 Cruzeiro, pelo Campeonato Mineiro
14/02 – Cruzeiro 1 x 0 Tupi, pelo Campeonato Mineiro
17/02 – Cruzeiro 3 x 4 Fluminense, pelo Primeira Liga
20/02 – Tricordiano 0 x 1 Cruzeiro, pelo Campeonato Mineiro
28/02 – Cruzeiro 1 x 1 América, pelo Campeonato Mineiro

Oito primeiras partidas do Cruzeiro em 1997:

29/01 – Cruzeiro 1 x 2 Fluminense, amistoso
02/02 – Cruzeiro 1 x 0 Montes Claros, pelo Campeonato Mineiro
08/02 – Mamoré 1 x 3 Cruzeiro, pela Campeonato Mineiro
16/02 – Guarani 0 x 0 Cruzeiro, pelo Campeonato Mineiro
19/02 – Cruzeiro 1 x 2 Grêmio, pela Copa Libertadores
19/02 – Cruzeiro* 4 x 4 Villa Nova, pelo Campeonato Mineiro
23/02 – América 3 x 0 Cruzeiro*, pelo Campeonato Mineiro
25/02 – Alianza Lima-PER 1 x 0 Cruzeiro, pela Copa Libertadores

* Cruzeiro entrou em campo com o “expressinho”

Ano/média de gols (oito primeiros jogos)

2016 – 1,375
2015 – 1,625
2014 – 1,5
2013 – 2,5
2012 – 2,625
2011 – 2,75
2010 – 2,875
2009 – 3,5
2008 – 2,75
2007 – 2
2006 – 1,875
2005 – 2,25
2004 – 2,25
2003 – 3,5
2002 – 2,5
2001 – 2,375
2000 – 2
1999 – 2,125
1998 – 3,125
1997 – 1,25

Levantamento feito pela Gazeta Esportiva