Esporte na TV

ESPORTE NA TV

Comentaristas da ESPN criticam Atlético: 'Foi horroroso coletivamente'

Paulo Calçade e Vitor Birner ressaltaram a falta de repertório do time no empate contra o Deportivo La Gauira, na estreia da Copa Libertadores

postado em 22/04/2021 10:55 / atualizado em 22/04/2021 14:33

(Foto: Reprodução/ESPN)
Os comentaristas da ESPN, Paulo Calçade e Vitor Birner, criticaram a atuação do Atlético no empate por 1 a 1 com o Deportivo La Guaira nessa quarta-feira, pela primeira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. Os jornalistas disseram que o Galo pode apresentar um melhor desempenho, questionaram algumas escolhas de Cuca e ressaltaram a falta de repertório do time.

Contra o time venezuelano, o Atlético tentou 59 cruzamentos e acertou 16 (27% de aproveitamento). Para Calçade, esse estilo de jogo não condiz com o nível do clube na competição continental.

“Ainda tem problemas de escalação, principalmente gerados por qual tipo de jogo o Atlético quer jogar. Certamente não é esse jogo de ‘levanta na área, vamos lá’, o ‘vamos, vamos, vamos’ não é nível Libertadores e nem de Atlético. Nós olhamos e você percebe quando um time tem um caminho, que o treinador aponta para uma direção e ela está difícil de se desenvolver. Quando olhamos para o Atlético, perguntamos ‘qual é a direção?’”, questionou.

Em seguida, Birner concordou com o companheiro de bancada e afirmou: “O jogo hoje, a frase exata é 'horroroso coletivamente'”. O comentarista ainda destacou que o meia argentino Nacho Fernández, de 31 anos, precisa ser ajudado pelos outros jogadores da equipe. “Tem que fazer um time que ajude o Nacho, não que o atrapalhe, como tem acontecido.”

Escalação e talento individual


Segundo Calçade, o Atlético conta com atletas de destaque no time e, por isso, deveria apresentar um melhor desempenho. “Com esse elenco que tem o Atlético, com algumas joias, como o Nacho, porque ele é uma joia, você tem um bom time para jogar, não é um time qualquer.”

O comentarista também analisou a opção de Cuca pelo volante Tchê Tchê, de 28 anos, recém-chegado ao Atlético, ser titular e não o meio-campista argentino Zaracho, de 23 anos. “O Zaracho está no banco e o Tchê Tchê, que chegou outro dia, é titular. É uma queda para cima. No São Paulo, ele mal seria utilizado e chega como titular no Atlético, nesse elenco ressaltado por todos nós”, explicou.

Ainda conforme o jornalista, algumas situações de ‘crise’ no Atlético o fazem acreditar que o técnico Cuca ‘gosta desse tipo de situação’. “Esse jogo do Galo se aproxima àquele Cuca do Palmeiras, em que havia mais talento à disposição e era um jogo pobre. O jogo do Santos também foi herdado do Sampaoli, mas com um grau de dificuldade e de crise, daquelas que nos levam a acreditar que o Cuca adora esse tipo de situação, de trabalhar na crise, quando você tem que lidar com outros problemas dentro de vestiário, diferentes de apenas jogar futebol. O trabalho no Santos evoluiu nesse sentido e o Galo tem até uma quantidade menor de problemas”, concluiu.

Com o empate, Atlético e La Guaira estão empatados em segundo lugar com um ponto no Grupo H. O líder é o Cerro Porteño, que venceu América de Cáli nessa quarta-feira por 2 a 0, no Estádio Alfonso López, em Bucaramanga, na Colômbia. 

No sábado, o Galo volta a campo contra o Athletic pela 11ª rodada do Campeonato Mineiro, às 19h, no Independência. Na próxima terça-feira, às 21h30, o Atlético enfrentará o América de Cáli no Mineirão, pela segunda rodada da Libertadores.

Tags: atleticomg futnacional espn seriea birner libertadores2021 calcade