Santa Cruz
1

SANTA CRUZ

Santa reedita sua pior sequência nesta Série B, com um ponto ganho em três jogos

Momento ruim do time na competição coincide com o agravamento da insatisfação do elenco tricolor com os atrasos salariais

postado em 02/08/2017 09:00 / atualizado em 02/08/2017 09:36

Paulo Paiva/DP
Um ponto conquistado em três jogos. Com a derrota para o Paysandu o Santa Cruz repete a sua pior sequência na Série B de 2017. E assim como naquela ocasião, a seca de vitórias rendeu uma queda vertiginosa na classificação. Desta vez, com o sério risco de comprometer os planos tricolores de conseguirem o acesso, sobretudo pela possível relação com os problemas extracampo que assombram o time.

Entre a 9ª e a 11ª rodadas, o Santa Cruz perdeu para o América-MG (fora), empatou como Figueirense (Arruda) e perdeu para o Oeste (fora). Foi da quarta colocação para a 12ª. A queda causou a volta de Adriano Teixeira ao cargo de auxiliar técnico e a contratação de Givanildo Oliveira foi concretizada. Assim que assumiu o Tricolor na rodada seguinte, o treinador ajudou a interromper a sequência negativa com a vitória diante do Brasil-RS. Viveu um período de invencibilidade, mas agora repete a sequência do seu antecessor, com um agravante.

Das três últimas partidas, nas quais o Santa Cruz somou apenas um ponto, duas foram em casa. Antes da derrota para o Paysandu na noite de terça-feira, o Tricolor havia empatado com o Boa Esporte, na Arena de Pernambuco, e perdido para o Paraná por 4 a 0, em Curitiba.

Coincidência?

É difícil acreditar em coincidência. Desde que a insatisfação do elenco com os atrasos salariais voltou a transparecer de forma mais nítida, os resultados negativos tornaram-se mais frequentes. O momento de bons resultados entre as duas piores sequências da equipe, aliás, coincide com a sinalização do fim dos atrasos. Ou de sua diminuição.

Isso porque, ao chegar ao Santa Cruz, o técnico Givanildo Oliveira exigiu da diretoria o compromisso de sanar o problema, quitando os meses em aberto e evitando mais atrasos. Há alguns dias, entretanto, a insatisfação dos atletas cresceu por conta de promessas não cumpridas pela diretoria de futebol com os prazos estabelecidos.

Apesar disso, o zagueiro Anderson Salles, repetindo um discurso comum em tais circunstâncias, garantiu que o problema não afeta o desempenho do time. “Na hora em que a gente entra dentro de campo a gente esquece de tudo, só joga futebol”, afirmou em entrevista à SporTV, quando deixava o gramado após o resultado negativo diante do Paysandu.