ENTREVISTA

Tardelli: "Agora é a minha hora"

Único titular de linha a atuar no Brasil sonha com 2018 e em encerrar carreira no Galo

postado em 05/09/2014 08:23 / atualizado em 05/09/2014 08:34

Rafael Ribeiro / CBF
Jaeci Carvalho
Enviado especial a Miami


Quatro anos depois da frustração na Copa África do Sul, Dunga faz sua reestreia no comando da Seleção Brasileira hoje, às 22h (de Brasília), diante da Colômbia, uma das surpresas da Copa do Mundo do Brasil e reforçada pelo atacante Falcao García. O técnico aproveita a base do recente Mundial. Com os cruzeirenses Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart no banco, a maior atração do time é Neymar, novo capitão do time, que reencontrará o colombiano Zúñiga, responsável pela fratura na coluna que o tirou da reta final da Copa. Uma das poucas novidades em campo será o atleticano Diego Tardelli, de 29 anos, que sonha em se firmar no grupo até a Rússia’2018, como revela em entrevista ao EM.


Você ainda sente a frustração de ter ficado de fora da Copa?
Tudo acontece na hora devida. Estava preparado para um convocação, por tudo o que fiz ano passado, mas ela não veio. Mas este ano não começamos bem e isso deve ter pesado. Agora chegou a minha hora, justamente com Dunga, que me deu a primeira chance e me relacionou entre os 30 jogadores para a Copa de 2010. Fico feliz. É bom saber que um treinador confia tanto na gente, e não me resta alternativa a não ser justificar em campo.

Como ele quer que você jogue?
Ele me deu liberdade do meio para a frente, como no meu clube. Eu disse a ele que jogo em qualquer posição, pois me sinto bem fazendo várias funções. Não gosto de jogar de costas, parado, gosto de rodar. E Dunga vai me dar toda a liberdade do mundo. Foi legal porque eu e Neymar nos revezamos, cada hora num lado, e isso facilita.

Para você, a figura do centroavante paradão acabou?
Com certeza. A Alemanha deu o exemplo disso. Não se joga com ninguém fixo. O futebol está mais rápido, dinâmico. Se não se movimentar, não se vai a lugar nenhum. Como sempre joguei flutuando, creio que estou na vanguarda há algum tempo. Acho que tenho o dom e a qualidade de fazer a leitura do jogo. Para mim é muito fácil. Já atuei na Europa, mas optei por voltar ao Atlético, pois queria ser campeão da Libertadores. Deu certo e aqui estou. Não vou fazer a função de criação de jogadas, como no Galo. Temos jogadores para essa função. Mas nada me impede de tabelar, buscar jogo no meio-campo.

Qual a importância do Ronaldinho Gaúcho para você?
Primeiro, realizei um sonho ao jogar com ele. A estrela que tem, o jogador que é, um cara que me ajudou muito ano passado. Sempre vai fazer falta para a gente. Foi uma honra ter jogado com um ídolo mundial e entrarmos para a história de um clube tão grande. Devo muito a ele.

Em 2018 você terá 33 anos. Teme a pressão até lá?
A pressão é para todos. Estou tranquilo e sei o que tenho de fazer para me manter: mostrar serviço e fazer o que faço no clube. Independentemente do que acontecer, tenho de me sentir bem aqui.

O amistoso contra a Colômbia é o jogo da sua vida?
Claro. Cada partida será decisiva, pois na Seleção temos de matar um leão por dia. Mas tem muita gente torcendo por mim e, se eu fizer o que tenho feito no clube, vou me manter. Não quero pensar em daqui a quatro anos, e sim em dar o melhor neste momento.

O que mais pesou para você amadurecer como jogador?
O nascimento dos filhos, a esposa, meu pai, minha mãe. Dos 18 aos 23 anos, era gandaieiro, muito jovem, fiz muitas coisas erradas. Mas vi que o caminho era outro e venci na carreira. Graças a Deus, está tudo muito equilibrado. Hoje sou um exemplo.

Você pretende encerrar a carreira no Atlético?
Pretendo. Mas penso em parar daqui a 10 anos. Até lá, tenho muitos títulos a conquistar pelo Galo.

FICHA TÉCNICA
BRASIL x COLÔMBIA
BRASIL: Jefferson; Maicon, David Luiz, Miranda e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Ramires, Oscar e Willian; Diego Tardelli e Neymar
Técnico: Dunga
COLÔMBIA: Ospina; Zúñiga, Zapata, Valdés e Armero; Guarín, Sánchez, Cuadrado, Ibarbo e James Rodríguez; Falcao García
Técnico: José Pekerman
Estádio: Sun Life (Miami)
Horário: 22h
Árbitro:
TV: Globo e Sportv

Tags: tardelli entrevista amistosos atleticomg Copa do Mundo Seleção Brasileira