POLÊMICA

Com documentos públicos, site revela atuação do treinador Dunga como agente de futebol

Treinador negou todas as acusações, mas documentos públicos mostram números

postado em 24/07/2014 11:40 / atualizado em 24/07/2014 12:00

Redação Superesportes /Diario de Pernambuco

Reprodução/espn.com.br
Dunga guardou um segredo sobre sua vida profissional desde a primeira passagem na Seleção Brasileira. O agora técnico tinha um passado sigiloso como agente de futebol, a mesma função que o atual coordenador geral Gilmar Rinaldi exercia poucas horas antes de assumir o cargo a convite da CBF. Uma matéria do jornalista Lúcio de Castro, no portal espn.com.br, aponta que o ex-volante teve participação decisiva na transferência do meia Ederson, em 2004, do RS Futebol Clube para o grupo Image Promotion Company (IPC).

O técnico recebeu R$ 407.384,08 pela mudança do jogador, que chegou a defender a Canarinho na passagem de Mano Menezes. Procurado pela reportagem do site, Dunga negou qualquer participação na transação. No entanto, os números são comprovados através de documentos públicos. Dunga, ainda segundo a matéria, tem maior ligação com o IPC - que revela outro conflito de interesse com o cargo que o ocupa.

O investidor encontra-se registrado no mesmo endereço da World Champions Club (WCC), na Avenue Princesse Alice, em Mônaco. A WCC também é uma empresa que agencia no futebol. Dunga também negou ter ligação com a empresa, mas ele aparece no site da mesma como um dos clientes. Ao lado da sua foto, estão o meia Ederson e o lateral direito Maicon - este último convocado para a Copa do Mundo de 2010. A empresa também administra o clube inglês Queens Park Ranges (QPR) desde 2004. Dunga assumiu cargo no conselho de gestão do clube, formado por cinco membros.