SELEÇÃO OLÍMPICA

Com aposta em força física, convocações de Gallo podem atrapalhar planos de reconstrução

Talento fica em segundo plano nas listas. Assim, é improvável que o futuro da Seleção esteja sendo construído pelo técnico

postado em 12/08/2014 11:08 / atualizado em 12/08/2014 11:21

Braitner Moreira /Correio Braziliense

As primeiras intervenções práticas de Alexandre Gallo após o vexame da Copa do Mundo mostram quais rumos tomará o futebol brasileiro nos próximos anos. Ontem, o coordenador das categorias de base da Seleção convocou a equipe olímpica, sub-23, pela primeira vez. Hoje, comanda a estreia da nova geração sub-20 no Torneio de Valência. Nesse primeiro momento, a força física vai se sobrepor ao talento. E, por isso, é improvável que o futuro da Seleção esteja sendo construído por Gallo.
Marwan Nanmani/AFP

Entre os 44 convocados para as duas categorias, é clara a prioridade para jogadores altos e fortes, especialmente entre zagueiros, volantes e atacantes. As poucas exceções são os laterais e alguns dos meias que atuam pelos lados do campo. O time que estreia hoje no Torneio de Valência, contra o Catar, tem altura média de 1,80m. Os prováveis titulares olímpicos têm, em média, 1,82m. O Brasil que entrou em campo contra a Alemanha, no humilhante 7 x 1 do Mineirão, tinha 1,81m.

Os números, hoje, são parecidos. Mas os rapazes da sub-20 ainda devem crescer e, principalmente, ganhar massa muscular. “Geralmente, os homens crescem até 18 ou 19 anos. O fato de ser esportista não faz a pessoa crescer por mais ou menos tempo”, aponta o ortopedista Julian Machado. Gallo é conhecido, nos clubes pelos quais passou, por priorizar jogadores fortes, em detrimento dos baixinhos. E só a escolha baseada em força é capaz de explicar o que Yuri Mamute, atacante do Botafogo, por exemplo, faz na geração que deveria representar o futuro do futebol brasileiro.

Brucutus
Enquanto Alemanha, Argentina, Espanha e Itália trabalham volantes talentosos desde a base, capazes de dar passe e criar o jogo desde a defesa, o sub-20 brasileiro só tem o atleticano Eduardo Henrique para a função. No sub-23, o único com essas características é o cruzeirense Lucas Silva. Assim, praticamente toda a criatividade estará nos pés de Boschilla (sub-20, São Paulo) e Rafinha Alcântara (sub-23, Barcelona), jogadores com poucas partidas profissionais no currículo.
Marwan Nanmani/AFP

As opções de Gallo deixaram de fora jogadores talentosos, como os meias Fred, do Shakhtar Donetsk; Talisca, do Benfica; e Carlos, do Atlético-MG. No lugar deles, está Otávio, machucado desde maio, e que ainda faz trabalhos de recuperação física. A ausência do volante gremista Ramiro no time olímpico, em favor de Matheus Biteco, também é inexplicável. Na lateral esquerda, Abner, do Real Madrid, perdeu espaço para o limitado Douglas Santos. E, na zaga, Lucão e Igor Rabello tomam o espaço que deveria ser do santista Gustavo Henrique ou do flamenguista Samir.

Quando Dunga fizer sua primeira convocação, na próxima terça-feira, não vai chamar nenhum dos atletas lembrados para o time olímpico — uma maneira peculiar de renovar o Brasil, conforme prometido depois do colapso em Belo Horizonte. Mesmo assim, as escolhas do coordenador da base indicam os caminhos que o futebol daqui trilhou. Montar o futuro da Seleção certamente não é um deles.

Três amistosos marcados
Os 22 atletas chamados por Alexandre Gallo vão jogar contra Egito, Catar e Líbano entre 1º e 10 de setembro. As datas exatas ainda não foram divulgadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A série de amistosos vai ocorrer no Catar, no mesmo período em que a Seleção principal viaja aos Estados Unidos para enfrentar Colômbia e Equador.

A convocação sub-20

Goleiros
Georgemy (Cruzeiro)
Marcos Felipe (Fluminense)

Zagueiros
Igor Rabello (Botafogo)
Eduardo (Internacional)
Lucão (São Paulo)
Marlon (Fluminense)

Laterais

Auro (São Paulo)
Lorran (Vasco)
Pará (Bahia)
Willian Massari (Internacional)

Meias
Boschilla (São Paulo)
Danilo (Braga-POR)
Eduardo Henrique (Atlético-MG)
João Afonso (Internacional)
Matheus Biteco (Grêmio)
Nathan (Atlético-PR)
Divulgação Santos

Atacantes
Gabriel (Santos)
Gerson (Fluminense)
Kenedy (Fluminense)
Mosquito (Atlético-PR)
Thalles (Vasco)
Yuri Mamute (Botafogo)

A convocação sub-23

Goleiros
Ederson (Rio Ave-POR)
Jacsson (Internacional)

Zagueiros
Dória (Botafogo)
Marquinhos (Paris Saint-Germain-FRA)
Vinicius (Lazio-ITA)
Wallace (Braga-POR)

Laterais

Fabinho (Monaco-FRA)
Gilberto (Internacional)
Wendell (Bayer Leverkusen-ALE)
Douglas Santos (Udinese-ITA)
Reprodução/Facebook

Meias
Alison (Santos)
Alisson (Cruzeiro)
Danilo (Braga-POR)
José Wellison (Vitória)
Luan (Grêmio)
Lucas Silva (Cruzeiro)
Rafinha Alcântara (Barcelona-ESP)
Otávio (Internacional)

Atacantes
Ademilson (São Paulo)
Douglas Coutinho (Atlético-PR)
Vinicius Araújo (Valencia-ESP)
Vitinho (CSKA Moscou-RUS)