PELÉ

Recuperado de infecção urinária, Pelé recebe alta de hospital e brinca em coletiva

Rei do futebol dá entrevista bem humorada e brinca que já está "se preparando para a Olimpíada", após 16 dias internado

postado em 09/12/2014 13:35 / atualizado em 09/12/2014 14:04

Redação /Correio Braziliense , Gazeta Press

REUTERS/Tyrone Siu/Files

Depois de 16 dias internado, Pelé recebeu alta e deixou o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, na manhã desta terça-feira (9/12). O Rei deu entrevista coletiva ao lado dos médicos que cuidaram de sua saúde e, bem humorado, disse que o susto passou e que já está pensando na Olimpíada do Rio, em 2016. "Eu sou um dos acima de 23 anos que eles podem levar", brincou.

Pelé foi internado há um mês, para a retirada de pedras no rim, e recebeu alta normalmente. Onze dias depois da cirurgia, porém, voltou a ser internado, após se sentir mal novamente. Ele foi diagnosticado com uma infecção e passou os últimos 16 dias internado. No período mais crítico, ficou na unidade de terapia intensiva (UTI) e teve que passar por hemodiálise, até que o rim recuperasse suas funções.

Vestido com uma camisa xadrez azul e branca, Pelé apareceu no auditório do hospital amparado por sua namorada, Márcia Aoki, e contou com a ajuda dos ombros de quem via pela frente para caminhar até o centro da mesa. Com dificuldades para enxergar por causa dos flashes de incontáveis máquinas fotográficas, ele inicialmente interrompeu uma pergunta para agradecer pelas preces de fãs do mundo todo.

"Graças a Deus estou bem e recuperado. Queria agradecer a todos aqueles que mandaram mensagens. Fiquei emocionado e surpreso. Tive mensagens da China, do Paquistão, de quase todos os países da Europa. É gratificante e bom saber que tive o apoio de tanta gente pelo mundo torcendo para que a situação melhorasse" afirmou o Rei.

Segundo o médico presente na coletiva, Pelé "vai ficar de molho os próximos 10 dias" e depois inicia tratamento fisioterápico, para recuperar a força nos músculos. O craque brasileiro será acompanhado de perto pela equipe médica.

Bom humor
A brincadeira em relação aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, parecia ensaiada. Foi repetida quando Pelé se levantou para enfim deixar o hospital e iniciar o seu repouso domiciliar: “Queria só lembrar: podem jogar três atletas profissionais nas Olimpíadas, e eu sou um deles”.

A descontração é contrastante com o estado de Pelé há poucos dias, quando chegou a ser encaminhado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Einstein por apresentar uma resposta inflamatória sistêmica. Apesar de ele jamais ter temido o pior.

“Tive alguns calafrios, mas isso era uma coisa que eu já tinha sentido outras vezes. Não imaginava que pudesse ser uma infecção. Estava em Santos, me preparando para uma tarde de autógrafos no Museu Pelé, e achei que passaria logo. Não foi como eu esperava. Fiquei preocupado, é claro, mas me surpreendi. Não tive medo de morrer porque sou um homem de três corações. Vai ser difícil eu morrer”, gargalhou Pelé, mineiro de Três Corações, com uma referência que usa desde os tempos de atleta.

Mesmo com os seus três corações – e um rim a menos desde os anos 1970, conforme só agora foi revelado –, Pelé admitiu que refletiu bastante após as sessões de hemodiálise, as conversas com a namorada no quarto do hospital e uma e outra música tocadas no violão. “Opa, parece que Deus está esquecendo de mim”, chegou a pensar. Um assessor e amigo, no entanto, tentou acalmá-lo ao comparar a situação do ídolo brasileiro com a vivenciada pelo ex-piloto alemão Michael Schumacher. “O meu amigo Schumacher, depois de passar tanto perigo na Fórmula 1, teve um acidente em um passeio e até hoje a gente não sabe a real situação dele.”

De acordo com o médico Fábio Nasri, Pelé continuará a recuperação em sua casa em São Paulo – ele pretende retornar a Santos só depois de alguns dias – com normalidade. Fará fisioterapia e passará por algumas reavaliações, normais para um idoso ou para quem pretende disputar as Olimpíadas. “É rotina, nada de novo”, minimizou, enquanto o Rei do Futebol sorria ao seu lado.