RIO'2016

Foco na festa em casa

Encerramento do Pan de Toronto dá primeiros indícios de como será a participação brasileira na próxima Olimpíada, ao expor virtudes e fraquezas das modalidades

postado em 28/07/2015 08:07

AFP
Terminada a disputa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto’2015, a preocupação exclusiva do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) passa a ser com a Olimpíada Rio’2016. Tradicionalmente, a disputa continental serve como primeiro parâmetro para balisar a campanha no principal evento do esporte mundial – foi assim no Rio’2007 e em Guadalajara’2011. No primeiro, o Brasil bateu o recorde de medalhas, 157, terminando no terceiro lugar. No seguinte, o mesmo posto e 141 medalhas, as mesmas obtidas na edição encerrada domingo, em Toronto.

Tais números provocavam euforia e a expectativa de que na Olimpíada o país seria outro. Mas isso não aconteceu. Agora, o COB traçou como meta que o Brasil esteja entre os 10 primeiros colocados. Para isso, estima-se que seriam necessárias de 27 a 30 medalhas. Mas de onde elas viriam? Quais as chances do esporte brasileiro? Quantas medalhas de ouro seriam necessárias? Nas quatro últimas edições olímpicas, em Sydney’2000, a Inglaterra ficou na 10ª posição, com 11 medalhas; em Atenas’2004, novamente os britânicos, com nove; em Pequim’2008, a França, com sete; mesmo número da Austrália em Londres’2012.

O que esperar do Brasil no Rio'2016

Principais expectativas


Basquete masculino
O técnico Rubén Magnano escalou um Time B. Não utilizou nenhum dos nove jogadores que atuam na NBA. Um dos objetivos era observar jogadores que pudessem completar o grupo principal. Cinco se destacaram: o armador Rafael Luz, o escolta (joga tanto como armador como ala, para as saídas de bola) Benite, e os pivôs Augusto Lima, J.P Batista e Hettsheimer.

Basquete feminino
O técnico Zanon utilizou as jogadoras principais, à exceção de Iziane. O time, porém, mostrou-se frágil e teria que evoluir muito, principalmente se o país não tiver a vaga direta e precisar disputar o Pré-Olímpico.

Canoagem de velocidade
Isaquias Queiróz é o atual campeão mundial e com as duas medalhas de ouro e uma de prata no Pan, vencendo EUA e Canadá, considerados potências neste esporte, torna-se um candidato em potencial ao pódio.

Futebol
O time feminino é visto como virtual candidato ao ouro. O masculino, no entanto, tornou-se uma incógnita, principalmente porque o ouro olímpico é o único título que falta ao Brasil.

Handebol
O time feminino é o atual campeão mundial e um dos favoritos ao título olímpico. O time masculino ainda tem muito o que evoluir.

Ginástica artística
Arthur Zanetti (foto) é favorito ao ouro no Rio'2016. É o atual campeão olímpico e mundial e agora conquistou o título pan-americano.

Judô
Tornou-se o carro-chefe do esporte brasileiro. No Pan, conquistou 13 medalhas em 14 possíveis. Para a Olimpíada, o cálculo inicial era de seis medalhas conquistadas, mas depois dos últimos resultados a expectativa subiu para oito. Hoje, o país tem nada menos que cinco judocas entre os 10 melhores em categorias: Rafael Silva (líder da pesado), Sarah Menezes (ligeiro), Érika Miranda (meio-leve), Rafaela Silva (leve) e Mayra Aguiar (meio-pesado). Sendo que Sarah é a atual campeã olímpica e Rafael, foi bronze em Londres'2012.

Hipismo
Com Rodrigo Pessoa, Álvaro Affonso de Miranda Neto, o “Doda”, e o mineiro Bernardo Alves, mais um nome a ser escolhido, o Brasil é um virtual candidato, tanto ao pódio individual como por equipes. A preocupação é com relação aos cavalos. Por isso, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) sugere que cada cavaleiro tenha duas montarias preparadas.

Vôlei
O país é candidato a quatro medalhas nesta modalidade, sendo duas na quadra e duas na praia. Para o Pan, na areia, o país mandou jogadores que são considerados nível 4. Já na quadra, tanto José Roberto Guimarães como Bernardinho formaram dois grupos para as disputas da Liga Mundial, Grand Prix e Jogos Pan-Americanos. Apesar disso, esteve no pódio nas quatro disputas. Utilizaram as competições como laboratórios.

Natação
Com o time completo, com César Cielo, Thiago Pereira, João de Lucca, Marcelo Chiereghini, Felipe França, Etiene Medeiros, mais os revezamentos 4x100m livre e medley masculino e no primeiro no feminino, o COB entende que é um dos carros-chefes do Brasil para a Olimpíada.

Pentatlo moderno
A pernambucana Yane Marques é uma das três melhores do mundo hoje.

Atletismo
O atletismo é o esporte que mais ganhou medalhas para o Brasil nos Jogos Olímpicos: 35. No entanto, o esporte anda em baixa. Existe uma única certeza, com Fabiana Murer, no salto com vara, principalmente porque a participação da russa Yelena Isinbayeva nos Jogos é dúvida, por ela ter tido uma filha recentemente. Ainda não voltou a treinar. Assim, a maior ameaça ao ouro seria a cubana Yarislei Silva. A preocupação maior é com o atletismo de pista, já que os atletas brasileiros estão longe dos bons resultados. Segundo Marcos Vinicius Freire, gerente-executivo de esportes do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), haverá uma reunião com membros da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) para tratar do problema.

Tags: maisesportes pan toronto 2015 avaliação canada esportes preparação

[] - {'nvoto': 0, 'tags': , 'url': 'app/noticias/especiais/pan-americano/toronto-2015/noticia-toronto-2015/2015/07/28/noticia-toronto-2015,315943/foco-na-festa-em-casa.shtml', 'id_aplicativo': 7, 'voto': 0.0, 'id_treeapp': 1448, 'acesso': 211, 'comentario': 0}