None
Atlético

FUTEBOL MINEIRO

Projeto de lei para liberar bebida alcoólica nos estádios avança na Assembleia Legislativa de Minas

Proposta já está apta para ser analisada em Plenário

postado em 12/06/2019 11:10 / atualizado em 12/06/2019 12:30

<i>(Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)</i>
O projeto de lei por meio do qual se pretende autorizar a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol de Minas Gerais avançou na Assembleia Legislativa. Nessa terça-feira, o PL nº 429/2019, que pretende liberar a venda de bebidas durante o tempo total das partidas, recebeu parecer de 1º turno favorável à sua aprovação da Comissão de Esporte, Lazer e Juventude da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Atualmente, de acordo com a legislação vigente (Lei nº 21.737/2015), a comercialização e o consumo de bebida alcoólica nos estádios de Minas Gerais só são permitidos entre o momento da abertura dos portões até o final do intervalo dos jogos. Também não é permitido vender e beber cerveja ou outro tipo de alcoólico nas arquibancadas e cadeiras das praças esportivas.

No final de 2017, um projeto de lei que pretendia liberar a venda de bebidas foi rejeitado na Assembleia.


A proposição de alteração legislativa é de autoria do deputado Gustavo Valadares (PSDB) e pretende alterar o texto do art. 1º da Lei nº 21.737/2015, para prever que “a comercialização e o consumo de bebida alcoólica nos estádios de futebol localizados no Estado serão permitidos desde a abertura dos portões para acesso do público ao estádio até o final do segundo tempo da partida". 

A Comissão de Segurança Pública apresentou um substitutivo (espécie de emenda) ao projeto de lei. A ideia da Comissão é criar uma nova lei, em vez de simplesmente alterar a atualmente vigente. Esse substitutivo também estabelece uma medida de segurança pública para a liberação da bebida: a previsão de encaminhamento à ALMG, pela Polícia Militar, de relatório dos índices de criminalidade e violência nos estádios de futebol, ao término do calendário de competições desportivas.

O deputado Zé Guilherme (PRP), presidente da comissão e relator da matéria, apresentou um segundo substitutivo, contrário à revogação da Lei 21.737/2015. Ele também enfatizou que o projeto pode gerar a interpretação de que a venda de bebidas em eventos esportivos é obrigatória.

Além disso, segundo ele, tanto a lei quanto a proposição são restritas ao futebol profissional, o que gera um vácuo jurídico em relação a outras modalidades esportivas.

Assim, o segundo substitutivo pretende ampliar a abrangência da legislação atual, concedendo às entidades que administram os eventos a prerrogativa de permitir ou não o comércio e o consumo de bebidas alcoólicas.

O dispositivo também especifica que o projeto se refere a eventos esportivos oficiais de cunho profissional e determina que as bebidas sejam entregues e consumidas em recipientes plásticos ou de papel.

Por esse segundo substitutivo, ficariam mantidas as disposições da lei atual relativas à competência dos gestores de empreendimentos esportivos para definir os locais de venda e consumo. Os infratores da futura lei estarão sujeitos a multa de até 500 Unidades Fiscais do Estado (Ufemgs), no caso de consumidores, e de até 5 mil Ufemgs, para os fornecedores. Cada Ufemg vale hoje R$ 3,59.

Tags: serieb seriea futinternacional futnacional cerveja bebida raposa coelho galo americamg cruzeiroec atleticomg interiormg