Atlético

ATLÉTICO

Jornalista da TV Globo do Acre cita palavrão e dá versão do que teria gerado atrito entre Oswaldo de Oliveira e repórter Léo Gomide

Palavra 'caralho' teria gerado confusão durante entrevista em Rio Branco-AC

postado em 09/02/2018 00:30 / atualizado em 09/02/2018 00:46

Reprodução
O jornalista Paulo Henrique Nascimento, da TV Globo do Acre, deu sua versão nesta quinta-feira dos bastidores da entrevista que originou um atrito entre o técnico Oswaldo de Oliveira, do Atlético, e o repórter Léo Gomide, da Rádio Inconfidência. De acordo com o seu relato, o palavrão “caralho” teria sido o motivo da ira do treinador.

”Estavam na coletiva, além do Gomide, um repórter da Itatiaia, um senhor da Rádio Super, um da Globo BH  e eu. Eu estava bem do lado e escutei o que o Léo falou. Ele tinha ficado irritado por não ter as perguntas respondidas e falou assim: ‘Eu não vou ficar aqui’. Em seguida, o Léo se afastou um pouco do Oswaldo, estava de lado, sem olhar para o treinador, desmontando seu celular e uma luz, e resmungou um palavrão. Ele xingou ‘caralho’, mas não falou isso olhando para o Oswaldo. Ele estava resmungando. O Oswaldo ouviu aquilo, ‘caralho’, e aconteceu o que todo mundo viu no vídeo. O Léo disse essa palavra, eu ouvi claramente porque estava sem um dos fones de ouvido, mas é importante dizer que ele não se dirigiu frontalmente ao Oswaldo, como se estivesse afrontando. O problema é que o técnico ouviu. Nenhuma câmera captou o áudio porque ele disse baixo, enquanto desmontava seu equipamento”, declarou Paulo Henrique Nascimento, por telefone.

”O Oswaldo ouviu esse palavrão. Diferentemente do que foi dito pelo Oswaldo em programas de TV hoje (quinta), o Léo não disse ‘vai para a casa do caralho’. Isso não aconteceu. Ele (Léo) resmungou e falou ‘caralho’ enquanto desmontava seu celular e sua luz. Como eles haviam tido esse atrito instantes antes na entrevista coletiva, o Oswaldo se voltou contra ele imediatamente”, acrescentou o jornalista da Globo.

Oswaldo reagiu com palavrões a Léo Gomide, como ‘caralho, babaca e vai se foder’, e quase chegou às vias de fato. Minutos depois, o jornalista da Globo foi procurado pelo diretor de comunicação do Atlético, Domênico Bhering. “Ele me mandou mensagem. Falei para ele que o Oswaldo ouviu o palavrão”.

Procurado para comentar o posicionamento do jornalista da Globo, Léo Gomide negou com veemência que tenha dito ‘caralho’, mesmo sem se dirigir diretamente a Oswaldo de Oliveira. “Ele (Paulo Henrique Nascimento) não ouviu nada porque eu não disse ‘caralho’. Quem diz que falei isso tem que provar. Eu disse ‘Vim fazer meu trabalho’, ‘Vim fazer meu trabalho’. Queria saber se ele ouviu o diretor de comunicação me chamando de babaca. Quero a versão dele da totalidade. Pender para o lado do clube é fácil”.

A queixa de Léo Gomide diz respeito a uma declaração do diretor de comunicação do Atlético, Domênico Bhering, logo depois da confusão. "Ele é um babaca. Não vale a pena. Não vale a pena”, disse o dirigente enquanto reconduzia Oswaldo de Oliveira até o espaço da coletiva (assista ao vídeo completo abaixo).

Entenda o caso

Na coletiva de quarta-feira, o treinador impediu que o repórter concluísse suas indagações sobre o mau desempenho do Atlético em campo alegando que ele não poderia fazer análise naquele espaço e sim perguntas sobre o duelo. Depois de algumas tentativas, Gomide preferiu abandonou a entrevista. Instantes depois, houve o atrito, que quase resultou em briga corporal.
Por conta da alegação de que Oswaldo foi xingado primeiro, o Atlético decidiu proibir o repórter da Inconfidência de acessar a Cidade do Galo para realizar a cobertura do clube (veja no vídeo abaixo).

Ao longo desta quinta-feira, em redes sociais e em programas nacionais de TV, o Atlético recebeu muitas críticas pela decisão de impedir o profissional de trabalhar na Cidade do Galo. A Rádio Inconfidência, a Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais prestaram solidariedade a Léo Gomide e protestaram contra a posição do clube.

Oswaldo de Oliveira e Léo Gomide também concederam entrevistas a vários programas em rede nacional. Enquanto o treinador confirmou sua posição de que foi xingado primeiro pelo jornalista durante a entrevista coletiva e que, por esse motivo, reagiu com truculência, com palavrões e quase indo às vias de fato, Léo Gomide negou que tenha proferido qualquer termo de baixo calão dirigido ao comandante atleticano.

Tags: léo gomide oswaldo de oliveira seriea interiormg atleticomg