Cruzeiro

ATLÉTICO

Caso da garrafa d'água pode tirar Victor de Atlético x Cruzeiro? Entenda trâmite da procuradoria do TJD

Goleiro jogou água em torcedores celestes na saída do gramado do Mineirão

postado em 15/04/2019 16:42 / atualizado em 15/04/2019 17:00


Na saída do gramado do Mineirão após a derrota do Atlético por 2 a 1 no jogo de ida da final do Campeonato Mineiro, o goleiro Victor, xingado, jogou água em torcedores do Cruzeiro. A atitude do jogador repercutiu entre as duas torcidas e causou apreensão nos atleticanos. Afinal, a atitude pode tirar o ídolo alvinegro da finalíssima do Estadual? O Superesportes ajuda a explicar.

Victor pode, sim, ser punido pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). Se denunciado pela Procuradoria - o que ainda não ocorreu -, o goleiro pode ser julgado com base no artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que trata de conduta antidesportiva.

É muito improvável, porém, que qualquer julgamento referente a incidentes do clássico de ida da final do Mineiro seja marcado para esta semana. Ou seja: a menos que um processo pouco usual ocorra no tribunal, Victor estará à disposição para a partida contra o Cruzeiro.

O entendimento de pessoas ligadas ao TJD ouvidas pela reportagem é que não há tempo hábil para o processo de denúncia e julgamento, especialmente pelo feriado desta sexta-feira.

Normalmente, o procedimento no TJD tem datas específicas. Nas quintas-feiras, a Procuradoria formaliza as denúncias, que entram na pauta do tribunal. O dia reservado para julgamentos é terça-feira.

Portanto, mesmo se o caso de Victor entrar em pauta nesta quinta-feira, não haveria tempo para julgamento antes da decisão. Afinal, a partida de volta da final está marcada para 16h30 deste sábado, no Independência. Para ser campeão, o Atlético precisa vencer.

A procuradoria do TJD recebeu, nesta segunda-feira, a súmula da partida de ida da decisão, assinada pelo árbitro Wagner do Nascimento Magalhães (RJ). No documento, não há menção à atitude de Victor. Existe, porém, a possibilidade de oferecer denúncia com base em imagens, por exemplo.

O procurador-geral do TJD, Gabriel Senra da Cunha Pereira, explicou o processo de análise da súmula das partidas. “Pelo que consta da súmula, só as duas condutas seriam passíveis de denúncia, que são os dois cartões vermelhos (a Rafinha, do Cruzeiro, e Adilson, do Atlético). Só que a procuradoria não tem denunciado, como regra, cartão vermelho pelo segundo amarelo”, disse.

Caso anterior


Em 2018, o atacante Clayson, do Corinthians, foi punido por gesto semelhante ao de Victor. O jogador atirou água em torcedores da Chapecoense durante partida pelo Campeonato Brasileiro. Denunciado, ele levou dois jogos de suspensão pelo STJD. O caso também foi julgado pelo Tribunal Pleno, que decidiu pela manutenção da punição e ainda aplicar multa de R$ 3 mil.

Tags: victor cruzeiroec cruzeiro galo seriea futnacional atleticomg