Cruzeiro

CRUZEIRO

Discutido na Justiça, contrato do Cruzeiro com Dodô prevê pagamento mensal de valor seis vezes acima do 'teto' em 2020

Lateral-esquerdo ajuizou ação para voltar a treinar pelo clube

postado em 16/07/2020 06:00 / atualizado em 16/07/2020 08:46

(Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro)
Em litígio na Justiça do Trabalho, o contrato firmado pelo Cruzeiro com Dodô prevê pagamento mensal de R$ 917,2 mil brutos ao jogador de março a novembro de 2020. O valor é mais de seis vezes superior ao ‘teto’ de R$ 150 mil estabelecido pelo clube, que teve queda substancial nas receitas em razão do rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro.

Dos R$ 917,2 mil, R$ 330 mil são de salários e R$ 587,2 mil a título de luvas. Considerando 13º e um terço de férias em 2020, o valor atingiria R$ 1,35 milhão em dezembro. A partir de janeiro de 2021 até dezembro de 2023, o atleta contaria exclusivamente com os vencimentos por mês.

De acordo com o documento, datado em 23 de janeiro de 2019, o ordenado do lateral-esquerdo era dividido em R$ 297 mil de salário-base e R$ 33 mil de acréscimo remuneratório, não havendo, portanto, direitos de imagem.

Totalizadas em R$ 8,8 milhões, as luvas seriam parceladas em 18 vezes: a primeira, de R$ 366 mil, em fevereiro de 2019; da segunda à oitava, também de R$ 366 mil, de agosto de 2019 a fevereiro de 2020; e as dez restantes, de R$ 587,2 mil cada, de março a dezembro de 2020.

Além do compromisso com Dodô, o Cruzeiro chegou a um consenso com a Sampdoria, da Itália, quanto ao valor da aquisição dos direitos econômicos. Os detalhes haviam sido repassados na entrevista de apresentação do jogador pelo ex-vice-presidente de futebol Itair Machado, em 24 de janeiro de 2019.

Conforme o dirigente, o Cruzeiro pagou 200 mil euros à Sampdoria e concordou com a obrigação de compra de 90% dos direitos econômicos por 300 mil euros em caso de o time somar 15 pontos no Campeonato Brasileiro ou o atleta participar três jogos.

Esse foi um argumento questionado pela defesa celeste. No dia 7 de julho, o superintendente jurídico do clube, Flávio Boson, e os advogados do escritório Ferreira Chagas anexaram uma contestação à ação na qual o jogador pede para voltar a treinar à Toca, em 24 de março.

O entendimento foi que o Cruzeiro, na condição de quatro vezes campeão brasileiro, chegaria, obviamente, a 15 pontos na Série A, visto que o América de Natal, dono da pior campanha da história do Brasileiro por pontos corridos, contabilizou 17, em 2007. Mesmo com tais circunstâncias, a diretoria anterior concordou em pagar R$ 8.800.000,00.

“Repita-se, a referida cláusula beira a má-fé da oferta dos responsáveis pela gestão temerária, tendo em vista que a referida pontuação é ínfima quando levado em conta o tamanho e o histórico do clube Reclamado (…).  Há de se ressaltar ainda que até mesmo no ano de 2019, ano do primeiro rebaixamento da história do Reclamado, o clube fez mais que o dobro de pontos (36) constantes da cláusula”.

Na sequência, o Cruzeiro ressaltou que o acordo de transferência e o contrato de trabalho foram realizados sob aval de Itair Machado, que “também por público e notório, figurou em diversos contratos lesivos a este Reclamado, dono de uma gestão temerária e perversa ao clube reclamado, ao lado do ex-presidente Wagner Pires de Sá”. Assim, o clube solicitou o pedido de nulidade das cláusulas.

Como resposta, a defesa de Dodô frisa que o contrato “foi firmado por pessoas absolutamente capazes” e que “a alegação de que os antigos diretores do clube promoveram uma gestão temerária não é objeto desta lide”, devendo ser discutida “em foro específico, se assim o reclamado desejar”.

O reclamante também acusa o clube de “alegar o que lhe convém”, “sem se preocupar com o que foi acordado entre as partes”. Por isso, reforçou o pedido, na última segunda-feira (13), para que Dodô possa “exercer sua profissão, dando-se fiel cumprimento ao contrato firmado entre as partes”.

Dívida


De acordo com a petição, Dodô não treina de maneira adequada desde o início do ano, quando o Cruzeiro comunicou, em 10 de janeiro, que ele estava liberado para procurar outro clube. Nesse período, o atleta não recebeu um mês sequer de salário, segundo afirmou seu empresário, Junior Pedroso, em entrevista ao canal do jornalista Jorge Nicola, no YouTube, em 5 de maio.

“Existe uma grande pendência de salários com ele, talvez mais de 50%. Este ano eles não estão reconhecendo. Como a parcela de 300 mil euros era em janeiro e como eles não reconheceram o vínculo, não quitariam com a Sampdoria por estratégia deles. Os últimos meses de contrato ele não recebia. Existe uma boa-fé muito grande do Dodó e do pai, mas infelizmente do outro lado a gente não enxerga isso”.

O conselho gestor que administrou o Cruzeiro antes do presidente Sérgio Santos Rodrigues fez uma proposta para a reintegração do lateral ao grupo, porém as partes não chegaram a um acordo. O clube queria bases diferentes do vínculo original, contestando principalmente os R$ 8,8 milhões em luvas, e a repactuação dos vencimentos do atleta dentro do limite de R$ 150 mil.

Contratado sob alta expectativa após boa temporada pelo Santos em 2018, Dodô frustrou grande parte da torcida do Cruzeiro. Na maior parte de 2019, sem conseguir regularidade, amargou a reserva de Egídio, mesmo com o titular sofrendo com muitas críticas. O ponto positivo nos 28 jogos do lateral-esquerdo foi um belo gol de fora da área, marcado na vitória por 4 a 0 sobre o Huracán, da Argentina, na fase de grupos da Copa Libertadores.

Tags: Cruzeiro lateral-esquerdo interiormg futnacional Dodô mercadobola