Enderson diz que time do Cruzeiro é 'maduro, de qualidade e bem organizado'

Botafogo enfrentará a Raposa nesta terça-feira, às 21h30, no Horto

11/10/2021 12:26
compartilhe
Enderson Moreira é vice-líder com o Botafogo na Série B
foto: Vítor Silva/Botafogo

Enderson Moreira é vice-líder com o Botafogo na Série B


O técnico Enderson Moreira , do  Botafogo , disse que espera um jogo muito difícil contra o  Cruzeiro , nesta terça-feira, às 21h30, no Independência, pela 30ª rodada da  Série B . O comandante do time carioca classificou a equipe celeste de 'madura, de qualidade e bem organizada'

"É um jogo muito difícil, o Cruzeiro cresceu muito com o Vanderlei Luxemburgo, tem uma cara, sabe o que quer na competição, sabe o que quer em campo. Alguns resultados escaparam do Cruzeiro por detalhe, mas é uma equipe madura, de qualidade, bem organizada. Sempre será um Cruzeiro x Botafogo, um clássico, um jogo extremamente tradicional, com duas camisas com um peso absurdo. A gente espera um confronto muito difícil e que a gente faça um grande jogo lá", disse Enderson Moreira.

O Botafogo vive grande fase, ocupando a segunda colocação da Série B, com 51 pontos. O Coritiba lidera, com 54. O Cruzeiro, por sua vez, está distante da briga pelo acesso. A Raposa está na 12ª posição, com 38 pontos.

Enderson no Cruzeiro


Contratado pelo conselho gestor em 18 de março, três dias depois da saída de Adilson Batista, Enderson Moreira comandou a Raposa em 12 partidas. O retrospecto geral apontou seis vitórias, três empates e três derrotas, com 17 gols marcados e 12 sofridos.

Ao aceitar a proposta do Cruzeiro, Enderson afirmou, à época, que era a realização de um sonho profissional conduzir o time principal. Ele havia sido campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2007, revelando atletas como o goleiro Rafael, o zagueiro Maicon e os atacantes Guilherme e Jonathas.

Enderson levou ao Cruzeiro o auxiliar técnico Luís Fernando Flores - ex-jogador do Cruzeiro entre 1990 e 1996 -, o treinador de goleiros Ailton Serafim e o preparador físico Edy Carlos. Por causa do ápice da pandemia do novo coronavírus no Brasil, os três viajaram mais de 2.100 quilômetros de carro de Fortaleza a Belo Horizonte.

Na Toca, o treinador reencontrou o diretor de futebol Ricardo Drubscky, de quem é amigo há mais de 30 anos. A expectativa é que os dois pudessem repetir, no clube celeste, a dobradinha de sucesso alcançada no América, em 2017, com o título da Série B do Campeonato Brasileiro.

O começo até que foi promissor, com seis vitórias consecutivas - duas no Mineiro, uma no Troféu Inconfidência e três na Série B. O próprio Enderson admitiu que não esperava um início tão bom na segunda divisão nacional, visto que o clube lutaria, num primeiro momento, para se afastar da zona de rebaixamento, em razão da perda de seis pontos aplicada pela Fifa - dívida de mais de R$ 5 milhões com o Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos, pela contratação por empréstimo do volante Denílson, em julho de 2016.

Contudo, o Cruzeiro não conseguiu ser tão superior aos adversários mesmo nas vitórias. E a partir da primeira derrota - para a Chapecoense, por 1 a 0, no Mineirão, em 30 de agosto -, os resultados entraram em decadência, com direito críticas públicas de Pedro Lourenço, dono do Supermercados BH e conselheiro nato do clube, após o revés por 2 a 1 para o América, no Gigante da Pampulha.

Sérgio Santos Rodrigues chegou a dar voto de confiança ao Enderson Moreira, mas a incerteza de quando a tão prometida evolução chegará pesou na troca de técnico.

Compartilhe