2

Horror no Mineirão: torcedor do Cruzeiro relata fratura após agressão da PM

Diogenes Peterson foi agredido pela Polícia Militar na entrada do setor Amarelo do estádio, na partida contra o Criciúma, pela 28ª rodada da Série B

05/09/2022 21:00 / atualizado em 05/09/2022 22:38
compartilhe
Diogenes Peterson antes (esquerda) e depois (centro e direita) de ser agredido pela PM na entrada do setor Amarelo, nesse domingo (4/9), no Mineirão
foto: Reprodução

Diogenes Peterson antes (esquerda) e depois (centro e direita) de ser agredido pela PM na entrada do setor Amarelo, nesse domingo (4/9), no Mineirão


A expectativa dos cruzeirenses para o jogo entre Cruzeiro e Criciúma era de festa dentro e fora de campo. Mas nem tudo foi como o esperado nesse domingo (4/9), no Mineirão. Apesar do time ter se aproximado ainda mais do acesso na Série B, ocorreram diversos incidentes nas arquibancadas e também no acesso ao estádio.



Diogenes Peterson, de 27 anos, foi um dos torcedores marcados pela grande desorganização vista na entrada do Gigante da Pampulha. O gerente de banco fraturou o maxilar em dois pontos ao ser agredido pela Polícia Militar de Minas Gerais no Portão C, na entrada para o setor Amarelo Superior. A agressão ocorreu por volta de 15h20. 

"Assim que cheguei ao estádio, comecei a conversar com um conhecido, que é segurança da Minas Arena, no portão ao lado do que as organizadas invadiram. Ele correu para tentar fechar os portões, um amigo dele de profissão foi empurrado por esses 'torcedores', e logo a polícia veio. Para sair da confusão, fui para o lado e quando estava quase encostado na grade passou um grupo de quatro policiais", conta Diogenes ao Superesportes.

"Eu estava com as mãos levantadas quando recebi um spray de pimenta no olho de um dos policiais. Continuei com as mãos para o alto falando que estava sozinho, mas o outro policial olhou na minha cara e bateu com o cassetete bem no lado esquerdo do meu rosto", complementa. 

O bancário Diogenes Peterson terá que passar por cirurgia buco-maxilo-facial para corrigir fraturada ocasionada por golpe dado por policial
foto: Reprodução

O bancário Diogenes Peterson terá que passar por cirurgia buco-maxilo-facial para corrigir fraturada ocasionada por golpe dado por policial



Superlotado na partida contra o Criciúma, o setor Amarelo do Mineirão foi palco de grave confusão no início da partida. Devido às grandes filas na entrada do estádio, os portões foram abertos para que um número maior de cruzeirenses entrasse com rapidez. O fluxo de pessoas foi tão grande que torcedores acabaram sendo pisoteados. A PMMG tentou conter a 'invasão' com o uso de força e sprays de pimenta.

Diogenes descreve que chegou a desmaiar após levar o golpe no rosto, mas recobrou os sentidos e se dirigiu rapidamente à ambulância mais próxima. "Além de mim, chegou uma mulher desmaiada, carregada por amigos, duas crianças sem ar por conta dos sprays de pimenta e duas senhoras quase desmaiando", pontuou. 

O bancário disse que logo após entrar no veículo, mais um portão foi invadido. O médico responsável então teria pedido para que trancassem as portas, pois se escutava barulhos de bomba e tiros de borracha, que teriam até mesmo acertado a ambulância. 

Diogenes Peterson teve seu maxilar fraturado após ser acertado por policial com cassetete no lado esquerdo de seu rosto
foto: Reprodução

Diogenes Peterson teve seu maxilar fraturado após ser acertado por policial com cassetete no lado esquerdo de seu rosto



Com o maxilar quebrado em duas partes, Diogenes foi transferido pela Unimed para o Hospital João XXIII, onde fará a cirurgia buco-maxilo-facial nesta terça-feira (6/9). Devido à gravidade da lesão, ele ainda não conseguiu realizar boletim de ocorrência da agressão.
 
Sem poder mexer direito a boca devido ao prazo de 60 dias para recuperação da cirurgia, o cruzeirense não conseguirá trabalhar nos próximos dois meses e terá que entrar com um pedido de afastamento junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Em contato com a reportagem, a Polícia Militar de Minas Gerais afirmou não ter tomado conhecimento do ocorrido.

Posicionamento da Minas Arena

Em contato com o Superesportes, a Minas Arena afirmou que houve uma invasão na entrada do setor Amarelo. Segundo a gestora do Mineirão, os torcedores chegaram em grande número, forçaram a entrada no portão C e invadiram o estádio.

"O modelo de operação para o acesso dos torcedores, que inclui catraqueiros, conferentes e supervisores, é responsabilidade do clube. O Mineirão dá o apoio nesta operação com equipamentos (catracas) e seguranças", declarou a Minas Arena. 

Compartilhe