UAI

2

Irã volta a impedir entrada de mulheres em jogos de futebol

Cerca de 2 mil mulheres que compraram ingressos para partida entre Irã e Líbano não puderam entrar no estádio

30/03/2022 08:43
compartilhe
Mais de 12 mil ingressos para a partida entre Irã e Líbano foram vendidos, mas mulheres foram barradas no estádio
foto: AFP

Mais de 12 mil ingressos para a partida entre Irã e Líbano foram vendidos, mas mulheres foram barradas no estádio


A entrada de mulheres em um estádio de futebol voltou a ser proibida no Irã. Desta vez, para assistir a uma partida entre as seleções masculinas de seu país e Líbano, segundo a imprensa iraniana. 

Vencida pelo Irã por 2 a 0, a partida ocorreu no estádio Imã Reza, na cidade de Mashhad, no nordeste do país, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.  

"Cerca de 2.000 mulheres iranianas, que haviam comprado ingressos para a partida entre Irã e Líbano, estavam presentes no perímetro do estádio Imã Reza, mas não puderam entrar no estádio", noticiou a agência de notícias ISNA. 

"Para esta partida, foram vendidos 12.500 ingressos, dos quais 2.000 para mulheres", acrescentou a agência.

"Peço desculpas porque muitas pessoas não puderam entrar no estádio e ver de perto a partida de futebol entre as seleções do Irã e do Líbano", declarou o governador de Mashhad, Mohsen Davari, à televisão pública iraniana IRIB. 

"Infelizmente, não foi possível para um grande número de pessoas que estavam do lado de fora entrar no estádio", acrescentou. 

Em janeiro, as mulheres iranianas foram autorizadas a assistir a uma partida de futebol da seleção masculina de seu país, pela primeira vez em quase três anos. Foi para um duelo contra o Iraque, no qual o Irã selou sua classificação para a Copa do Mundo de 2022.

Há quatro décadas, a República Islâmica impede, em geral, as torcedoras de assistirem às partidas de futebol. 

Dos setores religiosos, que têm grande peso na tomada de decisões no país, defende-se que as mulheres devem ser protegidas da atmosfera masculina e da visão dos homens "seminus". 

Em setembro de 2019, a entidade máxima do futebol mundial, a Fifa, exigiu do Irã que autorizasse o acesso das mulheres aos estádios, sem restrições. 

A diretiva de 2019 da Fifa, ameaçando uma suspensão contra o Irã, veio após a morte de uma torcedora chamada Sahar Khodayari. Ela ateou fogo em si mesma por medo de ser presa por ter tentado assistir a uma partida. 

Em 2018, ela havia sido presa, ao tentar entrar em um estádio vestida de homem. Sua morte deflagrou uma onda de reações contra o Irã.

Compartilhe