Futebol Nacional

CRAQUE DO COELHO

Que fase!

Rodriguinho garante que nunca viveu na carreira um momento como o atual e entra na lista de reforços de vários grandes clubes do futebol brasileiro

postado em 01/08/2013 08:36 / atualizado em 01/08/2013 08:39

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
Fundamental na goleada do América sobre o Sport – fez três dos cinco gols do triunfo –, terça-feira, Rodriguinho faz questão de ressaltar que vive no Coelho a melhor fase da carreira. Ele afirma que jamais foi tão assediado quanto agora. Pela torcida, pela imprensa e por clubes rivais. O camisa 10 está na mira do Santos e já foi desejado pelos rivais gaúchos Internacional e Grêmio, além do Flamengo.

Mas para ter o trabalho reconhecido o armador de 25 anos teve de mudar hábitos e superar algumas dificuldades que envolveram lesões e reformulações do grupo desde sua chegada ao clube em 2011. “Não há um momento que me fez repensar a carreira e reorganizar meus objetivos. Foi uma soma de fatores. Depois dos altos e baixos que vivi na vida pessoal e profissional aqui no América e também dos momentos irregulares do clube, passei a me dedicar mais aos trabalhos.”

O técnico Paulo Comelli, por outro lado, afirma que o sucesso de Rodriguinho deve-se às responsabilidades que lhe foram concedidas. “Fizemos um trabalho psicológico a partir do momento que passamos a braçadeira de capitão para ele. Ser capitão fez muito bem ao jogador, pois assumiu uma liderança, amadureceu muito depois disso.”

E Rodriguinho também demonstra maturidade para falar sobre seus planos. Bem articulado, afirma que o objetivo é voltar a disputar a Série A pelo América ou por qualquer outro clube. A única vez que esteve na elite do futebol brasileiro foi em 2011, quando foi contratado, justamente, para reforçar o Coelho recentemente promovido. Até então havia jogado no ABC-RN e no Bragantino, onde se destacou durante o Campeonato Paulista. “Agradeço muito ao América pelo que estou vivendo, mas futebol é momento. Tem hora que tem de parar para avaliar o que é melhor para mim e para o América e não deixar passar.”

A cúpula americana recebeu proposta concreta do Santos pelo jogador em torno de R$ 9 milhões, mas não se interessou. A multa rescisória para transferência nacional é de cerca de R$ 20 milhões. Enquanto não há acordo, o camisa 10 assegura que se mantém concentrado em seu trabalho no Coelho. “Tudo o que está acontecendo, este assédio é bom para o ego, mas, enquanto não há nenhuma proposta efetiva, continuo pensando no América. É só trabalhar bem que as coisas tendem a melhorar.”

Paulo Comelli quer a permanência de Rodriguinho no CT Lanna Drumond. Afirmou que ele é fundamental para o América retornar à elite. E os companheiros concordaram. Ontem, quando Rodriguinho deixava a sala de imprensa, os jogadores que ainda treinavam gritaram repetidas vezes: “Fica, Rodriguinho!”

INSÔNIA Os gols marcados na partida contra o rubro-negro pernambucano, anteontem, tiveram significado especial para o armador. Ele nunca havia balançado as redes rivais três vezes em uma só partida. Conta que foi difícil dormir. “Foi complicado. Passava toda hora o filme da partida na minha cabeça. O telefone não parava de tocar. Os amigos ligavam para me parabenizar ou mandavam mensagens. Mas agradeço muito à equipe porque ela facilitou o meu trabalho.”

Rodriguinho prefere, no entanto, dividir com a equipe todos os méritos. “O time também facilitou o meu trabalho. A equipe achou um bom padrão de jogo e conquistou uma vitória em casa tão especial e de forma magnífica, convencendo e encantando o nosso torcedor.”

Para ele, o triunfo foi importante para a sequência do campeonato. Sobretudo para o jogo de amanhã, contra o Ceará, às 21h50, novamente no Independência. O jogador espera contar com o apoio do maior número de torcedores possíveis para conquistar mais uma vitória em casa.