Futebol Nacional

SÉRIE B

Esperando bom tempo

América enfrenta a Chapecoense nesta terça-feira com um único objetivo: voltar ao G-4

postado em 19/08/2013 08:58 / atualizado em 19/08/2013 09:04

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Depois de tropeçar em casa contra o América-RN (1 a 1, sábado, no Independência), o América vive a pressão de buscar pontos fora. O time já está em Chapecó, a 555 quilômetros de Florianópolis, onde enfrenta a Chapecoense nesta terça-feira, às 21h, no Estádio Índio Condá, em jogo atrasado da nona rodada da Série B do Brasileiro. Se vencer, o Coelho volta ao grupo dos quatro primeiros da competição.

O jogo seria em 20 de julho, mas a delegação alviverde não conseguiu ir além de Florianópolis, por causa do mau tempo. Para evitar as dificuldades da viagem anterior a Santa Catarina, o técnico Paulo Comelli optou por ir mais cedo, até para que os jogadores se acostumem ao clima frio de Chapecó. Na hora da partida, a previsão de temperatura é de menos de 8 graus centígrados. A equipe deixou Belo Horizonte nesse domingo cedo rumo a Floripa e seguiu de ônibus para o interior, chegando ao destino no fim da tarde.

Comelli, evidentemente, não ficou satisfeito com o comportamento do América diante do xará potiguar, mas ganha opções importantes para o confronto no Sul. O zagueiro Victor Hugo e os armadores Willians e Nikão cumpriram suspensão automática e reassumem seus lugares. Já o volante Claudinei levou uma pancada no rosto, mas fez tratamento com gelo e está confirmado.

“Temos de procurar fazer gol no início do jogo, assim como fizemos na vitória contra o São Caetano. Isso alivia a ansiedade natural da equipe e obriga o adversário a nos atacar. A Chapecoense é um clube de estrutura, tem equipe forte e com preparo físico desenvolvido. Mas quem quer chegar ao grupo dos quatro primeiros não pode temer ninguém”, analisa o treinador, com boa passagem pelo futebol catarinense no ano passado, quando conseguiu o acesso à elite com o vice-campeonato do Criciúma.

Embora o Coelho tenha o quarto melhor ataque da competição, com 28 gols, a preocupação da comissão técnica é com a quantidade de chances desperdiçadas nos últimos jogos. Contra o América-RN, ele finalizou oito vezes, mas só marcou graças a gol contra do atacante Mazinho.

ANSIEDADE Artilheiro do alviverde na Série B, com oito gols, o armador Rodriguinho acredita que a ansiedade tem prejudicado o time no momento de chutar a gol. “O grupo se esforça muito, cria chances, mas muitas vezes o gol não sai. O nervosismo fala mais alto e a equipe acaba se perdendo. Mas precisamos evoluir nesse aspecto e agora precisamos compensar os pontos perdidos no Independência.”

O volante Leandro Ferreira tem opinião diferente: “Falta um pouco de capricho. A Série B é difícil e equilibrada. Quando o adversário joga atrás, temos problemas para levar vantagem sobre a defesa. Agora, é bola para a frente, tentar descansar ao máximo para jogar bem contra a Chapecoense. Estamos brigando para chegar ao grupo dos primeiros e temos de buscar a vitória e minimizar as dificuldades”.

Tags: condá índio comelli paulo chapecó sérieb chapecoense américa