Futebol Nacional

Da comemoração à apreensão

postado em 05/08/2013 08:25

Marcelo Sant'Anna EM DA PRESS
A euforia que tomou conta da torcida do Atlético nos últimos 10 dias deu lugar à preocupação. No Bar do Salomão, reduto alvinegro na Serra, Região Centro-Sul da capital, os cerca de 50 torcedores que se reuniram na tarde de domingo para acompanhar a 11ª rodada do Brasileiro só falavam uma coisa: “É hora de voltar. A festa da Libertadores acabou. Agora vamos jogar bola”, esbravejou o comerciante Geraldo de Ávila Oliveira, que passou o jogo inteiro apreensivo.

Para o dono do bar, Salomão Jorge Filho, a recuperação já deveria ter começado. “Era hoje (ontem). Só estamos adiando”, lamentou ao calcular as três derrotas seguidas, que começaram com o Cruzeiro, depois passou pelo Atlético-PR e agora o Flamengo. No último jogo da Libertadores, a Rua Amapá – onde está o bar – foi totalmente fechada pelos quase 4 quatro mil atleticanos que comemoraram a conquista do título. Cenário muito diferente do encontrado ontem, quando poucos torcedores foram apoiar a equipe, agora entre os quatro na zona de rebaixamento.

Para Geraldo, o Galo perdeu uma grande chance de se afastar da zona de rebaixamento. “O Flamengo está muito mal na competição e era a nossa chance. Mas o time estava sonolento e conseguiu ser pior do que os reservas que jogaram contra o Atlético-PR no meio da semana”, avaliou. Para o baixista da banda Sepultura Paulo Jr., que aproveitou a passagem por BH para apoiar o Atlético, o time ainda está se recuperando da ressaca das comemorações. “É preciso concentração. A equipe já mostrou que sabe fazer. Agora, é colocar os pés no chão e a cabeça no lugar e começar a jogar bola”, afirmou.

SÉRIE B O receio dos atleticanos é que o time repita a campanha do Palmeiras. O Verdão, rebaixado no Brasileiro do ano passado, disputou a Libertadores este ano, juntamente com a Série B. “Não podemos chegar ano que vem na mesma situação”, esperava o administrador de empresas Rodrigo Amaral. Nas mesas, a grande crítica foi a falta de Ronaldinho Gaúcho, que, desde a conquista da Libertadores, ainda não voltou a jogar. “Por que ele não volta? Uns falam que já está negociado e o técnico (Cuca) diz que ele está gripado. A verdade é que ele tem que voltar logo”, reivindicou Geraldo. Para Rodrigo, o time tem que recuperar o entusiasmo anterior. “Por enquanto está muito relaxado”, reclama.