Futebol Nacional

Cornélio de Barros

Sport abusa de errar e é derrotado pelo Salgueiro na estreia do Pernambucano

postado em 24/02/2013 17:55 / atualizado em 24/02/2013 19:09

Rodolfo Bourbon /Diario de Pernambuco

Bernardo Dantas/DP/DA Press
Salgueiro - A alcunha “intermediário”, comumente designada aos times do interior, perde força quando se trata do Salgueiro. Especialmente, quando joga em casa. Da reinauguração do estádio Cornélio de Barros, em janeiro de 2012, até ontem, foram 17 vitórias, sete empates e uma única derrota. Some, agora, mais um triunfo. Foi o Sport quem se apequenou diante do Carcará. Com o domínio de quase todo o confronto, o mandante mereceu golear, mas saiu de campo com uma justa vitória de 2 a 1, com gols de Clebson e Elvis - Marcos Aurélio, de pênalti, descontou para o Leão. O resultado mostrou o quanto os sertanejos são, sim, fortes candidatos ao título do Campeonato Pernambucano. E aumentou ainda mais a crise rubro-negra, instalada desde a trágica eliminação da Copa do Nordeste.

O início de jogo iludiu os rubro-negros, presentes em quantidade bastante reduzida, devido ao veto às três maiores organizadas do estado, incluindo a Torcida Jovem. Com menos de um minuto, Marcos Aurélio exigiu boa defesa de Luciano. Após uma sutil pressão, com chances dos pés dos laterais Cicinho e Reinaldo, surgiu o contragolpe. Aos oito minutos, Sidny, de longe e com bastante liberdade, soltou a bomba e acertou o travessão da meta de Saulo. Acordou a torcida da casa. Instantes depois, Elvis, desta vez bem de pertinho, deu um chute tosco para fora. Despertou a vaia. A blitz do Carcará resultou em gol. Aos 14, Clebson se livrou da marcação e acertou o canto esquerdo: 1 a 0. Explosão do Carcará.

Daí para a frente, a equipe mandante tomou as rédeas do confronto. Após muita insistência, aumentou o placar. Aos 37, Sidny, um dos destaques da partida, cruzou para Elvis. O atleta dominou e arrematou, rente ao ângulo: 2 a 0. A goleada estava mais próxima do que a reação do Leão. Domínio incontestável. Mesmo panorama do início da segunda etapa.

O Leão seguiu em ritmo apático. O técnico Vadão sacou Ruan e apostou em Sandrinho. Mas o susbtituto não teve sorte. Com apenas oito minutos em campo, torceu o tornozelo e saiu de maca. Entrou Gilsinho. Dono da partida, o Carcará abusou de perder gols. Clebson arriscou de fora da área e carimbou o travessão. Elvis, mais uma vez sozinho e de frente ao gol, apenas “recuou” para Saulo. Não deu outra: a bola castiga. Aos 29, Marcos Aurélio fez fila e acabou derrubado dentro da área. Sofreu e cobrou o pênalti, com categoria: 2 a 1. Quando se esperava a reação do Sport, viu-se um Salgueiro mais perto de matar o jogo. Nada mudou.

FICHA TÉCNICA

Salgueiro
Luciano; Sidny, Ricardo Brás, Cleber Carioca e Peri; Pio (Alemão), Victor Caicó, Mateus (Moreilândia) e Clebson; Fabrício Ceará e Elvis (Canga). Técnico: Marcelo Chamusca

Sport
Saulo; Cicinho, Gabriel, Maurício e Reinaldo; Fábio Bahia, Tobi, Felipe Menezes (Mateus Lima) e Marcos Aurélio; Ruan (Sandrinho) (Gilsinho) e Felipe Azevedo. Técnico: Vadão

Local: Estádio Cornélio de Barros (Salgueiro).
Árbitro: Emerson Sobral.
Assistentes: Clóvis Amaral e Elan Vieira.
Gols: Clebson, Elvis (SA); Marcos Aurélio (S).
Cartões amarelos: Cleber Carioca (SA); Tobi, Felipe Azevedo (S).
Público: 8.998.
Renda: R$ 42.032,00.