Futebol Nacional

SPORT

Justiça determina penhora de veículos do Sport por dívida de R$ 2 milhões com Marlone

São dois ônibus, um carro e uma moto; curiosamente, todos já constam como penhorados no site do Detran por conta de outros processos do clube

postado em 10/07/2020 20:30 / atualizado em 10/07/2020 21:24

(Foto: Paulo Paiva/ DP Foto)
Mais um problema para a direção rubro-negra. Após solicitação do meia Marlone, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 6ª Região determinou, no fim de junho, a penhora de quatro veículos do Sport, por conta de dívidas trabalhistas que o clube possui provenientes da segunda passagem do jogador pela Ilha do Retiro, em 2018. O Diario de Pernambuco teve acesso ao processo. No total, o ex-leonino, que atualmente defende o Suwon FC-JAP, cobra R$ 2.186.893,63. 

Valor este, aliás, que deveria ter sido quitado em abril. Envolto em grave crise financeira, ainda mais acentuada pela pandemia do coronavírus, o clube não efetuou o pagamento - daí o pedido do jogador e, por conseguinte, autorização da Justiça. A reportagem tentou contato com o vice-presidente Jurídico, Manoel Veloso, mas não conseguiu retorno.

No despacho, a juíza Wiviane Maria Oliveira de Souza confirmou os bens pertencentes ao clube e disse que “penhorem-se os veículos indicados pelo exequente registrando-se o gravame junto ao Renajud (Restrições Judiciais Sobre Veículos Automotores), inclusive o de circulação”. Confira a linha do tempo do imbróglio na galeria abaixo.

Na solicitação, inclusive, feita há cerca de um mês, Marlone também pede penhora de direitos econômicos de jogadores do Sport. Estes, contudo, não constam na determinação da magistrada. Curiosamente, aliás, dentre os quatro veículos - são dois ônibus, um carro e uma moto - penhorados, todos eles já constam no Detran como alvos de outras penhoras processuais.

De acordo com o processo, que se arrasta desde agosto de 2019, o valor que o Sport deve a Marlone se refere a cinco meses de salários e direitos de imagem em aberto (vencimentos do jogador eram R$ 170 mil mensais); férias, 13º, multas e verbas rescisórias em atraso, além de honorários do advogado e custas do processo. A passagem do meia pelo clube foi apagada, com sete gols em 45 jogos e rebaixamento à Série B - bem distante da impressão deixada em 2015, quando teve atuações positivas ao lado de André e Diego Souza na boa campanha feita pelo clube na Série A daquele ano.