Futebol Nacional

Brasileirão

A classificação é o que menos preocupa

Derrota para o Cruzeiro mostrou que o Náutico está muito abaixo do nível da Série A

postado em 15/07/2013 08:03 / atualizado em 15/07/2013 08:40

Alexandre Barbosa /Diario de Pernambuco

 (LEANDRO COURI/EM/D.A PRESS)
Foi apenas a sétima rodada. Mas o sinal de alerta está ligado. Não pelos quatro pontos conquistados pelo Náutico até agora na Série A - a história mostra que clubes já reverteram situações piores. É pelo que se vê em campo. E quem viu o Timbu, ontem, diante do Cruzeiro, na Arena Mineirão, assistiu a um time fraco tecnicamente, desestruturado e mal armado. Uma presa fácil para o adversário, que construiu o placar de 3 a 0 com facilidade.

Uma olhada na tabela mostra porque a situação é preocupante. O Timbu tem o pior ataque (4 gols marcados) e a pior defesa da Série A (14 gols sofridos). Por consequência, o saldo de gols mais negativo (-10). Apenas uma vitória e um empate em sete jogos, o que lhe dá os quatro pontos atuais. Com a derrota de ontem, segue na lanterna da competição, a três pontos da primeira equipe fora da zona de rebaixamento, o Criciúma.

No jogo de ontem, o Náutico teve oito minutos de lucidez. Do início do segundo tempo ao segundo gol do Cruzeiro, marcado por Vinícius Araújo. Foi quando a equipe saiu mais para o jogo e teve a chance do empate. No restante da partida, o Timbu foi completamente dominado. E olhe que o adversário precisou apenas de aplicação. Fez o simples, nada mais. A Raposa jogava com facilidade e ainda contava com os erros bisonhos da defesa alvirrubra.

 (LEANDRO COURI/EM/D.A PRESS)
O primeiro e o terceiro gol do Cruzeiro contaram com falhas defensivas do Náutico. Para abrir o placar, Ricardo Goulart se antecipou à inerte zaga, após cruzamento de Lucca, da esquerda. Para fechar o marcador, o atacante contou com a trapalhada do zagueiro João Felipe para ganhar a jogada pela esquerda e cruzar para Vinícius Araújo finalizar. Assim fica muito fácil.

O Náutico sofreu sem criatividade no meio campo. O garoto Marcos Vinícius não conseguiu conduzir a equipe. Magrão não ajudava, mal aparecendo no jogo, e apenas Derley tentava algumas saídas. O estreante Olivera ficou isolado na frente e, sem receber bolas, em nada contribuiu. Rogério chegou a criar oportunidades, mas, como sempre, foi mal demais na finalização.

Se quiser realmente disputar a Série A e não passar o campeonato como saco de pancadas, o Náutico precisa mudar. A esperança alvirrubra mora na recuperação dos jogadores machucados, na regularização de reforços e em novas contratações. Não pode esquecer, porém, que precisar ter um time também. Conjunto necessita de tempo para ser obtido, não se contrói de uma hora para outra.