Futebol Nacional

Brasileirão

No Serra Dourada, Náutico encara o Goiás para não deixar reação na Série A parar

Partida começa às 21h50 desta quarta-feira e é vista como duelo direto contra a degola

postado em 07/08/2013 08:37 / atualizado em 07/08/2013 09:01

João de Andrade Neto /Esportes

Ricardo Fernandes/DP/D.A Press
A “intertemporada” de 10 dias do Náutico acabou. Desde a vitória por 3 a 0 sobre o Internacional, no último dia 28, os pernambucanos, com os jogos contra São Paulo e Santos adiados, apenas treinaram e observaram os adversários pela televisão. Hoje, às 21h50, contra o Goiás, no Serra Dourada, os alvirrubros terão a primeira chance de provar que o período de preparação resultou em evolução da equipe. E que o triunfo sobre o Colorado não foi uma obra do acaso. Até porque é preciso pontuar.

Com sete pontos, o Timbu amarga a lanterna do Campeonato Brasileiro. Mas, com dois jogos a menos, está a apenas quatro pontos do Criciúma, o primeiro time fora da zona do rebaixamento. O Goiás é o 13º, com 13. E para não deixar o Serra Dourada “zerado”, o técnico Zé Teodoro prometeu um Náutico preocupado não apenas em se defender. Para isso, aposta na velocidade para puxar os contra-ataques. Por isso, Rogério, que entrou muito bem contra o Internacional no segundo tempo, volta à equipe, formando dupla de ataque com Maikon Leite. Jogador de característica mais centralizada, o uruguaio Olivera fica como opção no banco de reservas.

Essa, por sinal, será a única mudança no time. “Com o Olivera seguramos mais a bola na frente e ganhamos uma referência. Mas ao mesmo tempo ainda não tenho à disposição dois alas que o municiem. Nesses dez dias trabalhamos muito a marcação e a saída de bola com velocidade. Temos que marcar, mas também agredir o adversário. Não vamos fazer como nos jogos contra Botafogo e Cruzeiro, quando ficamos apenas nos defendendo”, prometeu Zé Teodoro, que segue sem opções para as duas laterais e por isso terá, mais uma vez, que improvisar o volante Auremir pelo lado direito e o zagueiro Luiz Eduardo pelo esquerdo.

“O nosso momento ainda é ruim. Enquanto estivermos nessa situação, a cobrança e a pressão irão existir. Não é porque ganhamos do Internacional que está tudo bem. Precisamos de uma sequência de resultados. Somar pontos. Um empate contra o Goiás não pode ser considerado um mau resultado”, completou o comandante alvirrubro, que é goiano e atuou pelo clube esmeraldino na época que atuava como lateral direito.

Total confrontos no Brasileiro

10
Vitórias do Goiás

4
Empates

4
Vitórias do Náutico

Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press.