Tênis

Mineiros confiantes

postado em 13/01/2013 08:35

Os mineiros Marcelo Melo e Bruno Soares vivem momento mágico na carreira e podem surpreender na chave de duplas do Aberto da Austrália. Eles venceram os dois torneios ATP 250 que servem de preparação para o Grand Slam, e se isolaram como brasileiros com maior número de títulos do circuito de duplas, com 11 conquistas cada. Há 10 dias, Marcelo foi campeão em Brisbane ao lado do espanhol Tommy Robredo. Sexta-feira foi a vez de Bruno, em Auckland, faturar o troféu ao lado do britânico Colin Fleming.

Os dois desfizeram a parceria no fim de 2011 e em Melbourne retornam com as duplas que jogaram a maior parte do ano passado. Melo vai jogar ao lado do croata Ivan Dodig e Bruno retoma a dupla de sucesso com o austríaco Alexander Peya, com quem conquistou três títulos em 2012, e que se recuperava de lesão.

Bruno (19º do mundo) está confiante. “Me sinto em condições de superar (os favoritos), sim. Hoje, eu e o Alex temos essa consciência. Provamos, para nós mesmos, no fim do ano passado, que estamos em condição de vencer as melhores duplas. Sabemos que o torneio é duríssimo, nada impede de perder na primeira rodada. Mas se ganharmos alguns jogos, vamos entrar fortes na briga”, explicou o tenista ao Estado de Minas, por e-mail.

Melo (17º), que tem jogado com diversos parceiros desde o ano passado, espera ir mais longe no Aberto da Austrália, ao lado do croata. “Eu e o Ivan estamos jogando muito bem juntos, vai ser o ano que estarei com mais confiança para disputar o torneio. Espero que isso faça a diferença”, frisou Marcelo, também por e-mail, apontando os irmãos Bob e Mike Bryan com a dupla a ser batida.

CALOR

Sabendo as condições climáticas da Austrália durante o verão, os dois mineiros se prepararam bem. “O calor pode atrapalhar um pouco, mas estou me sentindo bem preparado para isso. Na minha pré-temporada (em Belo Horizonte) treinei muitas horas no calor”, afirmou Soares. “Está fazendo muito calor por aqui. Estamos mais acostumados por sermos brasileiros, mas pode chegar a atrapalhar caso fique mais quente”, conclui Melo. (RD)

Saiba mais

Mudanças


Único Grand Slam disputado no Hemisfério Sul, o Aberto da Austrália passou por muitas mudanças em 100 edições e só emplacou a partir da década de 1980. Nos anos 1910 e 1920, uma viagem da Europa até o continente durava em torno de 45 dias, o que afastou os principais tenistas. Antes do início da era aberta, em 1968 – ano em que a Federação Internacional de Tênis (ITF) aprovou a inscrição de profissionais –, o torneio era itinerante e chegou a ser realizado até na Nova Zelândia. Fixou-se em Melbourne em 1972, aumentou o valor da premiação e, desde 1986, é disputado regularmente em meados de janeiro. A principal alteração foi em 1988, quando a quadra de grama foi trocada pelo piso rápido do Melbourne Park.