SPORT

No Sport, André se aproxima de números de gols de sua melhor temporada por um clube

Atacante está a 9 de igualar marca que obteve no Santos, em 2010; camisa 90 já fez mais gols que na sua primeira passagem no Leão no ano de 2015

postado em 26/07/2017 10:30 / atualizado em 26/07/2017 16:36

 Ricardo Fernandes/DP
A maior esperança de gols do Sport para o jogo desta quinta-feira, da Sul-Americana, é André. Na Argentina, contra o Arsenal de Sarandí, o atacante tem a chance de voltar a colocar a bola para dentro das redes depois de ter passado em branco diante do Palmeiras, na Série A. Os números dele respondem porque pode ser novamente essencial ao time. O camisa 90 já vazou os adversários 17 vezes em 2017. Aproxima-se da quantidade de gols que fez em sua melhor temporada em um clube na carreira, quando surgia de forma meteórica no Santos, em 2010.

Junto do meia Diego Souza, André persegue a artilharia da Série A. É também o goleador do Sport em 2017, disputa que acirra com o mesmo DS87. De quebra, se alçou a um seleto panteão. Tornou-se o quinto jogador que mais fez gols no Rubro-negro na história dos Brasileiros. Em alta, o centroavante ainda ultrapassou a quantidade de gols que marcou em sua primeira passagem na Ilha do Retiro, em 2015 - 14 no total (mas a média de agora é menor).

Com 17 feitos em 2017, o jogador não fazia tantos gols por uma só equipe numa só temporada desde quando jogou pelo segundo ano no Santos, onde foi revelado. À época, marcou 26 num Peixe conduzido por Neymar e Paulo Henrique Ganso, conquistando o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil. As atuações dele ali, por sinal, renderam convocações para amistosos na Seleção Brasileira, comandada então pelo treinador Mano Menezes. Em 2013, o atleta chegou aos 18 gols no ano - mas atuando por dois clubes diferentes: Santos e Vasco da Gama.

Para alcançar os 26 gols de 2010, André precisa de "apenas" mais nove. Tem pela frente mais de um turno na Série A e também jogos da Sul-Americana caso o Sport avance na competição. No compromisso seguinte do Brasileirão, porém, ele não poderá encostar um pouco mais nos números de sete anos atrás. Suspenso, não enfrenta o Bahia no próximo domingo, na Arena Fonte Nova.

André é o jogador cuja transferência foi mais cara da história do Sport. Custou R$ 5,23 milhões ao cofre do clube para compra definitiva, em fevereiro. No começo do ano, parecia que o investimento da diretoria para repatriá-lo não valeria a pena. Ele não repetia as atuações que teve no Leão em 2015 e chegou a passar por "secas" incômodas de gols.