FUTEBOL PERNAMBUCANO

Mesmo em dúvida, Carlinhos Bala lança pré-candidatura a vereador do Recife

Depois de se filiar ao Partido Progressista (PP), o ex-atacante disse que ainda vai conversar com a família para tomar a decisão de ingressar para a política

postado em 14/01/2020 20:33

(Foto: Ricardo Fernandes/DP)
O ex-atacante Carlinhos Bala, hoje com 40 anos, cogita entrar no meio político em breve. Aposentado do futebol desde o fim de 2017, ele se filiou ao Partido Progressista (PP), que lançou sua pré-candidatura a vereador no Recife. Embora a eleição municipal esteja marcada para 4 de outubro (primeiro turno), ele não disse estar certo de entrar na disputa.

“Estamos lançando (a pré-candidatura). Ainda não tem nada certo. Foi um convite, é diferente do futebol. Vou conversar com a família para ver se vou entrar mesmo. A repercussão já foi boa e está de bom tamanho”, despistou, após a filiação ao partido.

No futebol, Carlinhos Bala tem forte ligação com Pernambuco. Recifense, começou sua carreira na base do Santa Cruz, em 1999. Rapidamente foi levado ao time profissional. No segundo semestre de 2002, foi emprestado para o Náutico. Depois de uma boa passagem pelo Beira-Mar-POR, voltou para o Santa Cruz em 2004. No ano seguinte, foi campeão pernambucano e subiu para a Série A como um dos destaques do time coral.

Valorizado, foi vendido para o Cruzeiro, mas em 2007 voltou para o Recife, desta vez para o Sport. Assim, entrava para o seleto grupo de jogadores que defenderam os três grandes da capital. Em grande estilo. Logo no seu primeiro ano na Ilha, foi campeão estadual. Mas foi em 2008 que ele vivei sua maior glória no futebol. Bicampeão pernambucano, foi decisivo no título da Copa do Brasil do Sport, inclusive marcando o primeiro gol da vitória por 2 a 1 do segundo jogo da final, na Ilha do Retiro, contra o Corinthians. 

Depois disso, teve mais uma passagem pelo Náutico (2009 e 2010), uma pelo Sport (2011) e uma pelo Santa Cruz (2012). Pelo Tricolor conquistou seu último título, o Pernambucano de 2012, mesmo que, no banco de reservas, tenha participado pouco da campanha. Era o sinal de que sua carreira estava chegando ao fim. Sem querer se render, ainda vestiu, entre outras, as camisas do Centro Limoeirense (2013) e do América (2016). 

Caso entre para a política e, sobretudo, se for eleito para algum cargo, José Carlos da Silva talvez enfrente seu maior desafio na vida: representar o povo, propondo leis e fiscalizando o prefeito. Para isso, os gols e os títulos que acumulou no futebol de nada valem.