NÁUTICO

Náutico não vence o Sport na Ilha do Retiro por dois gols de diferença desde 2004

Para ser bicampeão estadual no tempo normal, Timbu precisa quebrar tabu de 15 anos e voltar a superar Leão por mais de um gol

postado em 15/04/2019 21:05

<i>(Foto: Gil Vicente/Arquivo DP)</i>
A derrota para o Sport por 1 a 0 no jogo de ida da final do Campeonato Pernambucano, nos Aflitos, complicou muito o objetivo do Náutico de ser bicampeão pernambucano. Agora, para levantar a taça no tempo normal, o alvirrubro precisará de um triunfo por dois gols de diferença. Algo que conseguiu pela última vez na Ilha do Retiro há 15 anos. Na ocasião, um triunfo por 3 a 1, válido pela 6ª rodada do segundo turno do Estadual, com gols de Kuki, Batata e Gil Baiano. 

A dificuldade histórica do Náutico em enfrentar o Sport fora de casa se mostra também em outro retrospecto. Desde o triunfo de 2004, os alvirrubros só voltaram a derrotar o rival na Ilha do Retiro duas vezes. Em 29 jogos disputados nesse período, o que significa apenas 7% dos confrontos. No caso, ambas as vitórias por 1 a 0, em 2014. Placar que, se repetido no próximo domingo, levará a disputa para os pênaltis. 

No restante das partidas, ocorreram 10 empates (o que corresponde a 34,4% dos jogos), com o Leão saindo vencedor em mais da metado dos duelos. No caso, 17 vezes (58,6%).

Vale ressaltar ainda que há outros tabus contra o Náutico nessa decisão. Isso porque o time do técnico Márcio Goiano ainda não venceu nenhum clássico na atual temporada, empatando três vezes com o Santa Cruz e perdendo os dois que disputou contra o Sport. Além disso, o alvirrubro não vence uma final para o rival desde 1968 e não dá uma volta olímpica na Ilha do Retiro desde 1965. 

Após a segunda-feira de folga, o elenco alvirrubro se reapresenta nesta terça-feira visando a segunda partida da decisão.