Copa do Mundo

COPA 2018

População, dimensão, clubes, valor de mercado: entenda por que o feito da Croácia na Copa do Mundo é tão grandioso

Com número de habitantes pouco maior que a Região Metropolitana de BH, Croácia formou geração que orgulha país e pode surpreender o mundo

AFP / Oli SCARFF
O Brasil é tachado por muitos como o país do futebol. Não apenas por ter a seleção pentacampeã mundial e a única a participar de todas as Copas, desde 1930, no Uruguai. O rótulo também se deve à paixão do seu povo por esse esporte, à história dos seus clubes e principalmente pela revelação constante de craques, exportados para todo o planeta. O que dizer então da Croácia, finalista na Rússia? Independente desde 1991, o pequeno país do Leste Europeu está em sua quinta edição de Mundial e pode conquistar, no domingo, a partir das 12h (de Brasília), seu primeiro título oficial. Mas a grandiosidade do feito de já estar na decisão com a França ganha ainda mais destaque tendo em vista os seus 4,1 milhões de habitantes e, por exemplo, a pouca representatividade de seus times no continente. Os croatas nunca ganharam torneios interclubes, como Liga dos Campeões ou Liga Europa, e sequer têm vagas na fase de grupos dessas duas competições.


Mesmo com uma torcida apaixonada, como se vê na Copa do Mundo, os croatas não têm tanta expressão no futebol mundial. Sua principal liga conta com apenas dez clubes e só o campeão vai à Liga dos Campeões, mas entra em fases eliminatórias. O Dínamo de Zagreb, clube mais tradicional e maior campeão do Campeonato Croata, foi o último a se classificar para a fase de grupos da Champions, em 2016/17. Na ocasião, o time foi o último colocado do Grupo H, ao terminar a fase sem nenhuma vitória, sem gols marcados e com 15 gols sofridos. Na Liga da Europa, que corresponde à Copa Sul-Americana, da Conmebol, o país só tem direito a três vagas, também nas fases preliminares. Diante desse histórico, tem-se a real dimensão da façanha da Seleção Croata na Copa do Mundo.
 
AFP
O meia Moisés, revelado pelo América e hoje no Palmeiras, jogou três temporadas pelo HNK Rijeka, da Croácia, e conhece bem a realidade do futebol local. “O país é apaixonado pelo futebol, não com a mesma proporção do Brasil, mas eles gostam muito. Havia estádios cheios principalmente quando jogávamos com o Dínamo Zagreb e fazíamos o clássico mais tradicional do país. É um campeonato bem menor, apenas dez equipes disputam a primeira divisão e jogávamos quatro vezes contra cada uma. Fui recebido super bem, tratam os estrangeiros da melhor forma possível. Tem muitos brasileiros por lá. Inclusive até já defenderam a Seleção”, disse Moisés, sobre o atacante Eduardo da Silva e o meia Sammir.

Pela vivência que teve na Croácia, Moisés acha pouco provável que o país tenha outra geração como essa, tão talentosa e espalhada pelos melhores clubes do mundo. “A geração de agora é espetacular, com jogadores de grande bagagem internacional. O momento deles é bom, como em outros tempos outros países menores já tiveram em evidência, como Bulgária, Suécia, Romênia. A Croácia está surpreendendo, mas é difícil aparecer uma outra geração como essa, pelo menos num curto espaço de tempo. Nos torneios de base da Europa, não é um país que está sempre chegando e são poucas aparições nos mundiais inferiores Sub-20 e Sub-17. De qualquer forma e com o mundo cada vez mais globalizado, vários atletas já vão para os grandes centros da Europa e isso ajuda muito na formação, mas eles tem muita qualidade, muita técnica, disciplina tática”. 

Aspectos históricos e geográficos

A Croácia só conquistou sua independência em 1991, 169 anos depois da brasileira, proclamada em 1822. Mesmo assim, os croatas viveram sob guerra até recuperar seu território total em 1995, ao vencer o Exército Popular Iugoslavo. Em aspectos geográficos, as diferenças entre Croácia e Brasil são grandes. O país europeu tem apenas 4,1 milhões de habitantes. É o segundo país menos populoso a participar de uma decisão de Copa (só perde para o Uruguai, que tinha 2,1 milhões de habitantes na Copa de 1930). Sua população corresponde a 2,2% da brasileira (207 milhões) e é pouco maior à da Região Metropolitana de Belo Horizonte (3,5 milhões). Mais um número que nos remete ao feito croata.

”Fico feliz pela Croácia ter chegado à final. É um país tão pequeno, que me recebeu super bem, minha filha nasceu lá. Gosto muito de lá, ainda converso com algumas pessoas do país. Vou torcer para eles ganharem a final mesmo sabendo da dificuldade que é enfrentar a França, uma equipe muito qualificada. Mas a Croácia já surpreendeu em outras oportunidades, como ir às semifinais em 1998, e espero que consiga mais uma. Se não conseguir já é um resultado histórico”, destaca o palmeirense Moisés.

Primeira Copa do Mundo

AFP/ GABRIEL BOUYS
A participação da Croácia na Copa de 1998, citada por Moisés, foi a primeira do país após a independência, em 1991. Àquela altura, o Brasil disputava sua 16ª edição. Comandada por Davor Suker, artilheiro com seis gols, e o meia Zvonimir Boban, a então “novata” chegou às semifinais, quando perdeu para França por 2 a 1. Na disputa pelo terceiro lugar, os croatas venceram a Holanda por 2 a 1. Depois do feito, ficaram de fora apenas do Mundial de 2010, disputado na África do Sul. 

Títulos

Além dos cinco títulos mundiais conquistados, a Seleção Brasileira já venceu quatro Copas das Confederações, oito Copas Américas e levou o ouro na Olimpíada de 2016, no Rio. Já a Croácia nunca conquistou um título oficial. Seu único troféu registrado é o da Copa do Presidente da Coreia do Sul, em 1999, torneio já conquistado por Bangu, Vitória do Espírito Santo e seleção sub-21 de São Paulo, nos anos 1970 e 1980.  

Diferença de valores
 
AFP / Oli SCARFF
Em 2018, na Rússia, a Seleção Croata disputa sua quinta Copa do Mundo. Seu valor de mercado, de acordo com números do site especializado Transfermarkt, é de 364 milhões de euros. A cifra corresponde a menos que o ataque da Seleção Brasileira, avaliado em 438 milhões. O elenco brasileiro vale 981 milhões. 

Ataque da Seleção Brasileira (438 mi): 

Neymar (180 mi)
Roberto Firmino (80 mi)
Gabriel Jesus (80 mi)
Douglas Costa (55 mi)
Willian (32 mi)
Taison (11 mi)

Valor da Seleção Croata:
364 milhões de euros

Valor da Seleção Brasileira:
981 milhões de euros  

O jogador croata mais valioso é o meia Rakitic, do Barcelona, que custa 50 milhões de euros. Seu ex-parceiro no time catalão, o brasileiro Neymar, é o mais valioso de ambas seleções. O atacante vale 180 milhões euros. 
 
 

TOP 3 Croácia
Ivan Rakitic - Barcelona (50 mi)
Perisic - Inter de Milão (40 mi)
Kovacic - Real Madrid (30 mi)

TOP 3 Brasil
Neymar - Paris Saint-Germain (180 mi)
Coutinho - Barcelona (100 mi)
Firmino - Liverpool (80 mi)

Brasileiros já defenderam a Croácia na Copa’2014
 
AFP PHOTO / DIMITAR DILKOFF
A Seleção Croata tem bons nomes no atual elenco, mas, em anos anteriores, precisou contar com jogadores brasileiros. O atacante Eduardo Silva e o meia Sammir, revelado pelo Atlético, naturalizaram-se croatas e disputaram a Copa de 2014, no Brasil. 

Eduardo da Silva, atualmente no Légia Varsóvia, da Polônia, é o que teve maior destaque na carreira. O jogador atuou pelo Bangu na base e jogou pelo Dínamo de Zagreb como seu primeiro time profissional. Em 2007, foi contratado pelo inglês Arsenal, onde ficou três temporadas. No Brasil, jogou dois anos no Flamengo (2014 e 2015). Em 2017, transferiu-se para o Atlético-PR. 

Jogadores convocados para a Copa que foram campeões nacionais por seus clubes na última em 2017/18

Jogadores brasileiros que foram campeões nacionais:
Cássio e Fagner (Corinthians, Brasil), Ederson, Danilo, Fernandinho e Gabriel Jesus (Manchester City, Inglaterra), Thiago Silva, Marquinhos e Neymar (PSG, França), Paulinho e Coutinho (Barcelona, Espanha), Fred e Taison (Shakhtar Donetsk, Ucrânia), Douglas Costa (Juventus, Itália) : 14 jogadores

Jogadores croatas que foram campeões nacionais:
Corluka (Lokomotiv, Rússia), Caleta-Car (Red Bull, Áustria), Livakovic (Dínamo Zagreb, Croácia), Rakitic (Barcelona, Espanha), Mandzukic (Juventus, Itália): 5 
 
Brasil x Croácia
4 jogos
3 vitórias do Brasil
1 empate
7 gols marcados pela Seleção Brasileira
2 gols marcados pela Seleção Croata
2 confrontos em Copa do Mundo - 2006 (1x0), 2014 (3x1) 

Tags: Copa do Mundo copa2018 croácia brasil frança selefut futinternacional