Taça Brasil 1966

CRUZEIRO

50 anos depois, campeões da Taça Brasil são homenageados por nova geração de cruzeirenses

Evento no Minascentro comemorou o cinquentenário do 1º título nacional do Cruzeiro

postado em 07/12/2016 23:05 / atualizado em 08/12/2016 18:16

Marcos Vieira/EM D.A Press

Os 50 anos do título da Taça Brasil, completados nesta quarta-feira (7), foram comemorados em evento no Minascentro, em Belo Horizonte. A homenagem foi iniciativa da Associação de Grandes Cruzeirenses (AGC), com apoio do Cruzeiro. Participaram ex-jogadores que fizeram parte daquela façanha, como Hilton Chaves, Natal, Piazza, Procópio e Marco Antônio. A emoção tomou conta do ambiente, com direito a lágrimas do craque Dirceu Lopes. Outro astro da conquista, Tostão se encontrou com seus ex-companheiros apenas na sede do clube, no Barro Preto, antes da festa.

A solenidade marcou um encontro de gerações. Torcedores que ainda não tinham nascido no ano daquela conquista foram prestar tributo aos seus ídolos. Eram muitos os jovens presentes, prova de que a história celeste é marca constitutiva dos cruzeirenses, sempre orgulhosos do passado do clube. Muitas vezes, os grandes feitos são transmitidos familiarmente, construindo uma corrente de sentimento de amor ao clube.

Foi a partir do título nacional sobre o Santos - goleada por 6 a 2 no primeiro jogo, no Mineirão, e vitória por 3 a 2 no segundo, no Pacaembu -  que a Raposa ascendeu nacional e internacionalmente, conquistando títulos, prestígio e torcedores.



Mesmo sem ter vivido a década de 1960, o empresário Tadeu Santana, de 30 anos, sabe tudo daquele grande time e não poderia perder a oportunidade de encontrar seus ídolos. "Tenho 30 anos e sei falar o time inteiro de 66. Meu pai e meu avô falavam que era o melhor time da história. Se o Cruzeiro não tivesse conquistado o título, talvez não teria essa projeção nacional", afirmou.

O título do Cruzeiro era inesperado porque o Santos era praticamente imbatível. O time praiano exercia uma soberania nacional de cinco anos. Liderado por Pelé, conquistou os brasileiros de 1961, 1962, 1963, 1964 e 1965, além de ter ganhado o Mundial em 1962 e 1963. Toda a campanha passou pelo Gigante da Pampulha. Naquele campeonato, o Cruzeiro superou Americano, Grêmio e Fluminense, além do Peixe.

"O Cruzeiro ganhou do maior time do mundo à época. Nossa projeção de hoje é por conta desses jogadores que representaram muito. Tostão, Piazza, Dirceu Lopes... todos eles jogaram muito tempo no Cruzeiro e criaram identidade com o clube”, disse João Henrique, de 24 anos, outro que também estava longe de nascer quando o Cruzeiro levantou a taça.

Henrique Portugal, da banda mineira Skank, e Juliane Guimarães, da TV Cruzeiro, apresentaram o evento. Os narradores Pequetito e Alberto Rodrigues levantaram os torcedores ao narrarem o sexto gol da goleada no primeiro jogo e o terceiro tento do segundo, respectivamente. Em um dos momentos de maior emoção, o ex-jogador Dirceu Lopes chorou ao ser ovacionado pelo torcedores, quando Pequetito o mencionou no palco.



O Minascentro estava cheio para receber o evento celeste. Foram vendidos antecipadamente mais de 1.500 ingressos. Além dos ex-jogadores, membros da diretoria celeste e das torcidas organizadas estavam presentes. A ausência notada foi a do presidente Gilvan de Pinho Tavares. Ele não comunicou o motivo de não ter comparecido.

Leo representou o grupo celeste. O zagueiro é cruzeirense desde a infância. "É um prazer participar desta homenagem, que reúne só grandes jogadores, verdadeiros monstros do futebol", afirmou Leo.

Rafael Arruda/Superesportes

Tags: tacabrasil1966 cruzeiro homenagem