1

PAYSANDU

Técnico do Paysandu cita prejuízo milionário e admite agressão: 'Meti a porrada em um'

Hélio dos Anjos reclamou muito do pênalti marcado por Vuaden e reclamou sobre a invasão da torcida do Náutico após a vitória nos pênaltis

postado em 09/09/2019 14:41 / atualizado em 09/09/2019 14:52

<i>(Foto: Paulo Paiva/DP)</i>
O técnico do Paysandu, Hélio dos Anjos, não gostou nenhum pouco da arbitragem de Leandro Pedro Vuaden na partida que acabou eliminando o seu time da Série C do Campeonato Brasileiro. Alegando falta de critério da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) por não ter escalado um árbitro Fifa para a partida contra o Náutico, o treinador soltou o verbo e revelou o tamanho do prejuízo financeiro sofrido pelo Papão sem o acesso.

“Eu só queria que o Gaciba (chefe de arbitragem da CBF), que é o dirigente máximo da arbitragem, só colocou dois gaúchos seguidos, com a comissão técnica do Náutico toda gaúcha. E com um árbitro que não é FIFA nesse jogo. O único jogo que não teve árbitro Fifa foi esse jogo. E fomos penalizados pela arbitragem. Quero ver o que vão falar. O prejuízo é muito grande. É de mais de 20 milhões e ninguém vai pagar a conta do Paysandu”, relatou. 

Além do pênalti marcado a favor do Timbu, Hélio dos Anjos também comentou a invasão alvirrubra após a cobrança de Matheus Carvalho, que selou a classificação do time para a Série B. O treinador temeu pela segurança de toda delegação bicolor e confessou que agrediu um torcedor do Náutico.

“Nós poderíamos ser massacrados dentro de campo, com mais de 10 mil pessoas entrando dentro do gramado. E eu vou ser sincero: ‘Eu meti a porrada em um’. É inadmissível você terminar um jogo com os profissionais sujeitos a acontecer algo. Não teve, mas poderia ter acontecido”, disse em coletiva após o jogo.

O árbitro Leandro Pedro Vuaden relatou em súmula o arremesso de duas latas de cervejas vazias e um cubo de gelo em direção aos atletas do Paysandu no segundo tempo. Já sobre a invasão, o registro também foi feito, mas acrescentou que não houve hostilidade junto à arbitragem.