Seleção

PERNAMBUCO

'Viagem continental': presidente da FPF vê recusa de seleções em jogar no Recife

Evandro Carvalho relata resistência de federações da CONMEBOL em fazer jogos que necessitem de viagens a mais 3.000km de distância

postado em 10/01/2020 14:45 / atualizado em 10/01/2020 15:08

(Foto: Paulo Paiva/DP Foto)
A 76 dias da estreia do Brasil nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, ainda não houve definição de quais serão os estádios que receberão os jogos do torneio qualificatório. Apesar da dúvida, o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, praticamente descartou a possibilidade da Arena de Pernambuco receber algum dos confrontos. Segundo ele, as federações nacionais recusam deslocamentos acima de 3000 km, 58 a menos que a distância entre os Aeroportos de Recife e Assunção.

“Nós tentamos todas as vezes, mas nós temos um impasse muito grande. Os países que participam se recusam a viajar mais de 3.000km, ou seja, eles aceitam ir até Salvador. Argentina, Uruguai, aqueles países que estão mais perto de São Paulo de Rio, eles não aceitam esse deslocamento que alegam que se extrapola que viajam disputando entre os outros países da América Latina, o que é verdade”.

O dirigente ressaltou que esse problema não existe, por exemplo, para competições da FIFA, mas que quando a CONMEBOL fica responsável, é quase impossível trazer os jogos. De acordo com Evandro, isso se dá porque a confederação sul-americana não pode se contrapor aos seus filiados, que, em maioria, não aprovam essas viagens.

“A gente sempre tem dificuldade, sempre. A gente tenta, se habilita, coloca, quando é com a FIFA, não tem problema, a gente fez, mas quando é com a CONMEBOL, nós temos seríssimos problemas, porque, a pedido de Chile, Argentina, Uruguai, Paraguai, eles se opõem a se deslocar além de Salvador. Isso é uma dificuldade que a CBF tem tentado ultrapassar, mas tem encontrado uma resistência, porque a CONMEBOL diz que não vai ficar contra os filiados dela. A chance é mínima”.

Para tentar reverter essa posição, Evandro insinuou um trabalho conjunto entre as federações estaduais de Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte, que são os únicos estados que sediaram a Copa de 2014 e não têm uma capital internacional a menos de 3.000 km. Ainda assim, porém, ele não mostrou otimismo.

“Nós estamos buscando entrar na FIFA. Algo, que se sorteie um jogo, enfim. E é isso, quem quer jogar, tem que se dispor a viajar, mas os cara não querem. Eles dizem ‘não, a gente viaja Uruguai, Paraguai, é tudo pertinho, por que eu vou fazer uma viagem (de dimensão) transoceânica dessas?’ Evidente que é uma viagem continental, sai da Argentina, do Uruguai para vir para o Nordeste. Isso, realmente, é um problema”.

Evandro ainda reforçou a contradição de Recife ter conseguido sediar uma Copa do Mundo, mas não conseguir trazer um jogo das Eliminatórias para o mesmo torneio.

CONFIRA AS DISTÂNCIAS EM LINHA RETA ENTRE O AEROPORTO DO RECIFE E AS CAPITAIS SUL-AMERICANAS

Assunção/Paraguai - 3.058 km
Montevidéu/Uruguai (em Carrasco) - 3.668 km
La Paz/Bolívia (em El Alto) - 3.726 km
Buenos Aires/Argentina (em Ezeiza) - 3.821 km
Caracas/Venezuela (em Maiquetía) - 4.114 km
Bogotá/Colômbia - 4.578 km
Santiago/Chile - 4.628 km
Lima/Peru (em Callao) - 4.634 km
Quito/Equador - 4.894 km