SANTA CRUZ

Satisfeito, técnico Marcelo Martelotte explica 'casadinha' de Leonan e Perí no Santa Cruz

Tricolores venceram equipe do Treze por um a zero na noite deste sábado

postado em 17/10/2020 22:38 / atualizado em 17/10/2020 22:51

(Foto: Rafael Melo/Santa Cruz)
Deu certo. Essa foi a avaliação do treinador Marcelo Martelotte a respeito do desempenho da dupla formada pelos laterais Leonan e Perí, que iniciaram a partida deste sábado com a função de “cobrir as beiradas” do Santa Cruz e auxiliar o atacante Lourenço, autor do gol que garantiu a vitória e a tranquilidade na liderança da Série C do Campeonato Brasileiro.

Revelando a intenção de ter agressividade no lado esquerdo com Leonan e um suporte com Perí, o treinador ressaltou a boa experiência que teve no estádio Amigão esta noite. “Eu analiso de uma forma positiva, os dois cumpriram bem a função. A gente tinha a ideia de ser bem agressivo pelo lado esquerdo com Leonan, que é jovem e com muita vitalidade e força, e com características ofensivas. E com o suporte do Perí, que foi muito bem no jogo. Acho que funcionou bem, a gente conseguiu marcar bem o adversário pelo nosso lado esquerdo”, disse Martelotte de modo inicial.

Além disso, o técnico fez questão de pontuar que a cobrança de falta feita por Didira, que posteriormente chegou em Lourenço e no gol, surgiu da criação da dupla. Ele disse também que até o momento em que estiveram em campo, o time tricolor rendeu positivamente. “A falta do gol foi criada por Leonan junto com Perí. Foram jogadas que ajudaram muito a gente a sair de trás e ter um domínio do campo do adversário. Até o momento em que os dois estiveram em campo a atuação foi boa”, avaliou.

No decorrer da etapa complementar, Leonan foi substituído por Paulinho, que surpreendentemente iniciou o duelo no banco de reservas. A motivação da troca, segundo o técnico coral, foi o cansaço do lateral. “Achei que o Leonan cansou um pouco, e daí a ideia de colocar Paulinho, para ter um pouco mais de marcação no meio de campo. A gente já tava vencendo o jogo por um a zero sem perder a qualidade, e a gente sabe a qualidade do Paulinho. Enfim, a ideia era essa: ter um lado esquerdo mais forte em termos de marcação e em termos ofensivos ser mais agressivos”, resumiu.

AMARELOU

Depois de ter reclamando da arbitragem, o treinador levou cartão amarelo no segundo tempo. Algo minimizado por ele, que acredita que a ausência de torcida nos estádios, por conta da pandemia da Covid-19, pode influenciar esse posicionamento dos árbitros.

“Sem torcida se ouve muito mais o que se fala fora de campo e muitas vezes isso tá facilitando com que eles tomem algumas providências. Não falei nada contra o árbitro, acho que o auxiliar errou no lance do Caio (Mancha). E foi isso que falei. Tem o quarto árbitro ali fora, o auxiliar também tava do meu lado e chamaram o árbitro. Isso, para mim, não pesa em nada. Sempre respeito o arbitragem, e mesmo hoje quando reclamei foi com respeito. Acho que foi um exagero nesse caso”, comentou.