CAMPEONATO PERNAMBUCANO

Times do interior revelam preocupação com segurança e temem festival de W.Os na volta do PE

Dirigentes se reuniram nesta terça e revelaram não terem recebido protocolo para volta aos treinos. Muitos dispensaram todos os jogadores

postado em 02/06/2020 20:35 / atualizado em 02/06/2020 22:03

(Foto: Petrolina/Divulgação)
Com a liberação por parte do governo estadual para a retomada dos treinamentos presenciais no próximo dia 15, o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, já projetou para o dia 28 o reinício do Campeonato Pernambucano. No entanto, essa volta ainda é vista com muita desconfiança por parte dos clubes do interior, que se reuniram nesta terça-feira em videoconferência.

E dentro das realidades distintas entre eles mesmos (com clubes tendo calendário nacional, com participação na Série C e outros encerrando a temporada com o fim do Estadual), as principais dúvidas vão desde as medidas de segurança para o retorno dos treinos até a remontagem de todo o elenco, uma vez que agremiações como Petrolina, Vitória e Decisão, que já estão no quadrangular do rebaixamento e não possuem calendário nacional dispensaram todos os seus jogadores.

Para o presidente do Petrolina, Jefferson Câmara, caso não haja ajuda financeira por parte do poder público ou da própria Federação Pernambucana, há o risco do retorno do Estadual ser marcado por um festival de W.Os (quando o resultado é definido sem a realização da partida).

“O Petrolina não manteve nenhum jogador e está hoje sem elenco. Assim como nós, creio que o Decisão e o Vitória, que também estão sem série nacional, também não tenham mais atletas. No máximo um ou dois. Vamos ter que montar todo um elenco para jogar a competição”, destacou o dirigente.

“A dificuldade maior é financeira. De onde viria o dinheiro para montar um elenco? Se não vier ajuda, provavelmente teremos (jogos com W.O). O Petrolina já está com uma dívida de R$ 120 mil que pegamos de empréstimo para poder liberar os jogadores. Fora despesas que teremos de alimentação e viagens. Sozinho, o Petrolina não tem condições de voltar ao campeonato. Vamos precisar de ajuda da prefeitura ou da Federação, porque empresa privada pode esquecer com essa crise”, concluiu.

Sem os protocolos

Outra dificuldade levantada pelos clubes do interior diz respeito aos protocolos sanitários que terão que ser colocados em prática para a volta dos treinamentos no dia 15. Procurado pelo Diario, o presidente do Salgueiro, José Guilherme, revelou que nenhum clube do interior recebeu até o momento as normas que terão ser adotadas. 

“Ainda não recebemos esse protocolo e não sabemos como teremos que proceder. Estamos ainda aguardando o contato da federação. Os testes mesmo, nenhum clube tem condições de arcar”, revelou o mandatário sertanejo. Vale ressaltar, porém, que o presidente da FPF, Evandro Carvalho, garantiu que toda a testagem, para treinos e jogos, serão bancados pela entidade. 

Além disso, José Guilherme questionou também o pouco tempo entre o retorno dos treinos e a volta estipulada para o campeonato. Um intervalo de apenas 13 dias.  “Estamos há 90 dias sem jogar e como vamos ter apenas 13 dias de preparação para voltar o campeonato? Falta bom senso. Quando os jogadores voltam de férias é preciso 30 dias de pré-temporada, por exemplo”, comparou.

“Além disso existem outros problemas. Os treinos devem voltar com grupos de 10 jogadores. Como vamos voltar a jogar sem poder fazer um coletivo? Porque podemos voltar a jogar uma partida oficial e não treinar 11 contra 11 na véspera?”, indagou José Guilherme.

Já o presidente do Petrolina citou outro ponto. “O nosso elenco fica concentrado em uma casa com 20 a 25 pessoas, sem o distanciamento ideal”, completou Jefferson Câmara.