Tóquio em uma semana: um povo é muito maior que as generalizações

Fui zoado por um japonês, vi uma mulher bêbada cambaleando na rua e descobri que fui mal-educado

29/07/2021 06:30 / atualizado em 29/07/2021 02:27
compartilhe
'Bem-vindo a Tóquio', diz cartaz escrito em inglês por um japonês
foto: João Vitor Marques/EM/DA Press

'Bem-vindo a Tóquio', diz cartaz escrito em inglês por um japonês

Durante os três primeiros dias em Tóquio, quando eu só podia sair do hotel para atravessar a rua e comprar comida, as idas à loja de conveniência eram um respiro. E as conversas com os atendentes logo me fizeram reafirmar quanto são rasas as generalizações.

Numas das saídas, comprei um lámen - uma sopa/macarrão típica do Japão - e fui questionado se levaria comigo um garfo de plástico ou um hashi. Na tentativa de me ambientar ao lugar onde passaria quase um mês, escolhi os pauzinhos.

O atendente olhou nos meus olhos e colocou o garfo na sacola. Olhei de volta e não entendi. Percebendo meu estranhamento, ele brincou: "Você tem certeza que sabe comer com isto aqui?", questionou, falando do hashi. Respondi que sim e ele tirou onda: "Só por garantia, vou deixar o garfo também". E deixou.

Lámen é uma sopa/macarrão típica do Japão
foto: João Vitor Marques/EM/DA Press

Lámen é uma sopa/macarrão típica do Japão

Rimos e fui embora apressado para o hotel, pois só tinha 15 minutos - determinados pelo protocolo anti-COVID-19 - para comprar comida. A lição dessa pequena história foi entender que é impossível classificar um povo como uma coisa só: "japonês é sério", "brasieiro é descontraído", "francês é antipático".

Por aqui, algumas coisas simples, do dia a dia, demonstram isso. Apesar de a cultura local indicar caminhos diferentes, muita gente usa, sim, roupas mais curtas. Há quem atravesse fora da faixa de pedestres e até aqueles que contrariam as orientações sanitárias e deixam a máscara em casa.

Na volta ao hotel após um dia de trabalho na Ariake Arena, onde estão sendo disputados os jogos de vôlei masculino e feminino, o motorista do ônibus parou abruptamente e saiu do veículo às pressas para socorrer uma mulher - de não mais que 25 anos - que cambaleava na rua. Visivelmente bêbada, ela tropeçou, escorou num poste e ficou por ali mesmo, sem condições de se equilibrar. Cenas que jamais imaginaria ver nas ruas de Tóquio.

Mas é claro: as tradições também são marcantes nas pequenas coisas. Há dois dias, descobri que estava sendo desrespeitoso com os recepcionistas do hotel ao entregar-lhes as chaves do quarto. Por aqui, é sinal de humildade e respeito passar objetos segurando-os com as duas mãos (e as palmas viradas para cima).

Contato físico sem intimidade? Nem pensar. Para cumprimentar alguém, o ideal é se inclinar levemente para frente. É o ojigi, a reverência oriental, que serve para dizer "oi", "até logo", "obrigado", "desculpas", "prazer em te conhecer", desde que feito acompanhado das palavras certas.

Um povo é muito maior que as generalizações.

Compartilhe