Brincando, Rayssa Leal entra em top 10 de medalhistas olímpicos mais novos

A 'Fadinha' de 13 anos conquistou a prata no skate street na Olimpíada de Tóquio

26/07/2021 07:16 / atualizado em 26/07/2021 15:16
compartilhe
Rayssa Leal comemora histórica medalha de prata nos Jogos de Tóquio
foto: JEFF PACHOUD/AFP

Rayssa Leal comemora histórica medalha de prata nos Jogos de Tóquio

A pequena Rayssa não parava quieta. No Ariake Urban Sports Park, ela brincava, dava risadas com as amigas e ia de um lado para o outro enquanto não podia ocupar a pista de skate. "Arigatô", agradecia, entre risos e num japonês improvisado, quem lhe ajudava. De tão à vontade que estava, parecia andar em casa - ou, quem sabe, nas ruas de Imperatriz, cidade do interior do Maranhão onde nasceu. Aos 13 anos, a pressão por ser a única brasileira na final do street não a incomodava. Ela se divertia, aproveitava cada momento. E foi assim, leve, que a Fadinha voou até o segundo lugar do pódio e conquistou a prata nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ninguém nascido no Brasil foi medalhista com tão pouca idade.


"Não caiu a ficha ainda de poder representar bem o Brasil, de ser uma das mais novas a ganhar uma medalha. Estou muito feliz. Este dia vai ser marcado na história", disse, sorridente, minutos depois de receber a medalha. Acima dela estava apenas a tímida e introspectiva japonesa Momiji Nishiya, apenas cinco meses mais velha. Aos 16, Funa Nakayama, também do Japão, completou o pódio ao ficar em terceiro lugar.
 

Fotos: Rayssa Leal conquista prata no skate street em Tóquio

 

"Eu tento me divertir ao máximo. Tenho certeza que, quando você se diverte, as coisas fluem. Deixa acontecer naturalmente, se divertindo, estar dançando ali, é muito engraçado. A gente fez um TikTok, ficou dançando ali, se divertindo. Eu tento ao máximo ficar mais leve, não pegar toda essa pressão", contou Rayssa, quase tão familiarizada às câmeras e microfones quanto com as pistas. 

Fotos: todas as medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio


A garota tem 13 anos e 203 dias e agora detém o recorde de atleta brasileiro mais jovem a subir num pódio olímpico. Antes, a marca era de Rosângela Santos, que foi bronze no atletismo nos Jogos de Pequim, em 2008, aos 17. A Fadinha também é a mais jovem do Brasil a disputar a Olimpíada. Ela superou Talita Rodrigues, finalista no 4x100 livre em Londres (1948), quando estava prestes a completar 14.

A história olímpica é recheada de incongruências e incertezas, especialmente nos primeiros anos, em que os registros não eram tão precisos. Oficialmente, porém, Rayssa se tornou a 10ª medalhista mais jovem dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, iniciada com as competições de Atenas, em 1896. A brasileira superou a estadunidense Elizabeth Ryan, que, aos 13 anos e 221 dias, conquistou o bronze na natação em Berlim (1936).

O feito se torna ainda mais significativo, já que os nove medalhistas mais jovens que Rayssa alcançaram o pódio em edições realizadas até a década de 1930, quando os Jogos Olímpicos ainda não possuíam o nível de competitividade atual. A maranhense, portanto, é a mais nova a ir ao pódio nos últimos 85 anos.

São vários os casos de crianças ou adolescentes no principal evento esportivo do planeta. O mais jovem medalhista da história foi o grego Dimitrios Loundras, que, aos 10 anos e 218 dias, ajudou o time a conquistar o bronze nas barras paralelas nos Jogos Olímpicos de 1896, em Atenas. Já, ele serviu o Comitê Olímpico Grego, mas nunca mais voltou a disputar a competição.

Os 10 atletas mais jovens a ganhar medalha olímpica


Dimitrios Londras (Grécia) - bronze na ginástica artística em 1896 aos 10 anos e 216 dias

Luigina Giavotti (Itália) - prata na ginástica artística em 1928 aos 11 anos e 301 dias

Inge Sorensen (Dinamarca) - bronze na natação em 1936 aos 12 anos e 21 dias

Ines Vercesi (França) - prata na ginástica artística em 1928 aos 12 anos e 216 dias

Antoine Fiolet (França) - prata no polo aquático em 1900 aos 12 anos e 223 dias

Noel Vandermotte (França) - bronze no remo em 1936 aos 12 anos e 230 dias

Carla Marangoni (Itália) - prata na ginástica artística em 1928 aos 12 anos e 269 dias

Dorothy Poynton-Hill (EUA) - prata nos saltos ornamentais em 1928 aos 13 anos e 23 dias

Donna de Varona (EUA) - ouro na natação em 1960 aos 13 anos e 129 dias

Rayssa Leal (Brasil) - prata no skate em 2021 aos 13 anos e 203 dias

Representatividade


Brasileiras Pamela Rosa, Rayssa Leal e Letícia Bufoni na pista em Tóquio
foto: LIONEL BONAVENTURE/AFP

Brasileiras Pamela Rosa, Rayssa Leal e Letícia Bufoni na pista em Tóquio



O skate feminino brasileiro chegou a Tóquio com outras duas candidatas a medalha no street: Pâmela Rosa e Letícia Bufoni. A dupla, porém, foi eliminada ainda na fase preliminar. Coube a Rayssa a missão de representar as mulheres brasileiras na final.

"É muito importante pra mim saber que minha história e de outras skatistas quebraram o preconceito e a barreira de quem falava que skate era só para menino. Saber que a gente está aqui... Eu posso segurar uma medalha olímpica!", vibrou, segurando-a para que não batesse em lugar algum. "Misericórdia, não arranha não!", riu.

A agora amiga e adversária Letícia Bufoni, aliás, foi a primeira inspiração da Fadinha, anos atrás. "Saber que todas as meninas já mandaram mensagem no Instagram falando que começaram a andar de skate ou que os pais deixaram andar de skate por causa de um vídeo meu... Eu fico muito feliz, porque foi a mesma coisa comigo. Eu mostrei um vídeo da Letícia andando de skate ao meu pai e ele me deixou andar", contou.

Rayssa ganhou o mundo muito antes de conquistar a prata. Em 2015, quando tinha apenas sete anos, a garotinha apareceu num vídeo, fantasiada de fada azul, tentando executar um heelflip, manobra considerada difícil no esporte. Após várias tentativas, ela conseguiu. E as imagens ganharam o mundo muito em função de uma lenda viva do skate: o estadunidense Tony Hawk, que está em Tóquio.

"Toninho, meu amigo. Nós nos vimos só duas vezes hoje (segunda). Ele estava passando de skate e a gente deu 'oi'. Eu tinha pedido uma água para um carinha da água e ele chegou, deu e falou 'good Luck (boa sorte)' e falou para eu quebrar a pista. Acho que quebrei ali, não sei (risos). Fico muito feliz por ter a lenda, que me inspira todos os dias, saber que ele gosta muito de mim e postou meu vídeo. É muito gratificante para mim", disse.

Passados seis anos, Rayssa saiu das pistas de Imperatriz para brilhar no Japão. Em terras nipônicas, ela conquistou a prata e o carinho do público brasileiro com vídeos divertidos e carismáticos. Depois de receber a medalha, a garota se assustou com o número de seguidores que havia ganhado nas redes sociais. Em 24 horas, passou de 1 milhão para 2 milhões de fãs.

"Quê!? O que é que é isso, minha gente!? Não sabia não", assustou-se ao ser avisada da marca por um repórter. "Eu quero ter um tempinho para olhar e falar com os meus pais, que alugaram uma chácara para poder assistir. Colocaram um telão para me ver andando de skate. Quero muito ver. Desde que eu comecei nas minhas redes sociais, sempre foi um sonho ter o meu primeiro milhão (de seguidores). Ontem, ganhei meu primeiro milhão. Hoje, já tenho dois!? O que é isso!?".

Com a medalha no pescoço e um sorriso sem tamanho, Rayssa se despediu dos jornalistas com a naturalidade que lhe caracteriza: "Beijinho para vocês, tenho que ir para o (exame de) doping". Saiu leve, voando, pronta para contar aos seus amigos de escola como foram as brincadeiras do outro lado do mundo.

Compartilhe