UAI

2

Lewandowski rompe contrato com empresa acusada de colaborar com a Rússia

Agente do artilheiro declarou fim da parceria com a companhia chinesa, citada em reportagem de jornal britânico de favorecer russos

07/03/2022 18:08
compartilhe
Lewandowski rompeu o contrato de patrocínio com a empresa chinesa Huawei
foto: Kerstin Joensson/AFP

Lewandowski rompeu o contrato de patrocínio com a empresa chinesa Huawei

O atacante polonês do Bayern de Munique, Robert Lewandowski, rompeu o contrato de patrocínio com a empresa chinesa Huawei, acusada por veículos de comunicação de colaborar com a Rússia em um contexto de guerra com a Ucrânia, acusações que a empresa tacha de "fake news".

"Tomamos a decisão hoje de pôr fim à cooperação de marketing entre Robert Lewandowski e a marca Huawei. Assim, a realização de todos os atos promocionais foi suspensa por nossa parte", declarou o agente do jogador, Tomasz Zawislak, em um comunicado enviado à AFP, sem informar o motivo da ruptura.

Segundo veículos de imprensa poloneses, esta decisão está relacionada com um artigo publicado no jornal britânico Daily Mail no que a Huawei é acusada de ter ajudado a Rússia e melhorar a segurança de sua internet frente aos ataques hackers pró-Ucrânia. O periódico baseia suas acusações em um informe publicado em um site chinês que imediatamente foi retirado do ar.

A Huawei confirmou em um breve comunicado a ruptura de contrato com Lewandowski. "A Huawei CBG Polônia lamenta o final de sua colaboração com Robert Lewandowski. Agradecemos por sua cooperação de vários anos e desejamos muito sucesso no futuro", indicou a empresa em e-mail enviado à AFP.

A filial polonesa da Huawei também afirmou que as acusações do Daily Mail são "fake news" e que as informações publicadas pelo jornal "não são verdadeiras".

No primeiro domingo após o início dos ataques russos, Lewandowski usou a braçadeira de capitão com as cores da bandeira da Ucrânia, na vitória do Bayern de Munique sobre sobre o Eintracht Frankfurt por 1 a 0 pelo Campeonato Alemão. "O mundo não pode aceitar o que está acontecendo. Espero que o mundo inteiro apoie a Ucrânia", disse o atacante.

Compartilhe