UAI

2

Fifa aprova novas regras para empréstimo de jogadores no exterior

Medidas entram em vigor no dia 1º de julho deste ano e valem para atletas com mais de 21 anos

30/03/2022 18:46
compartilhe
Presidente da Fifa, Gianni Infantino: entidade define novas regras para empréstimo de jogadores
foto: Karim Jaffar/AFP

Presidente da Fifa, Gianni Infantino: entidade define novas regras para empréstimo de jogadores


Nesta quarta-feira, em reunião do Conselho da Fifa, a entidade aprovou um novo regulamento acerca de empréstimos de jogadores no futebol mundial. As medidas, porém, passam a entrar em vigor apenas no dia 1° de julho deste ano.

Segundo a própria federação, o novo regulamento visa "facilitar o desenvolvimento de jovens jogadores, promover o equilíbrio competitivo e evitar o acúmulo de jogadores pelos clubes". As medidas valem para atletas com mais de 21 anos.

A nova regulação limitará a quantidade de empréstimos por temporada entre os clubes. Dessa forma, um time poderá ter no máximo três atletas emprestados a um único clube, assim como só será permitido essa equipe ter outros três profissionais emprestados de apenas um time. Além disso, será exigido um acordo por escrito, definindo os termos do empréstimo, abrangendo a duração e termos financeiros.

Outra mudança é a de que o contrato de empréstimo será limitado a até um ano. Ainda, será proibido o subempréstimo, ou seja, um jogador já emprestado por um clube não poderá ser cedido a um terceiro.

As federações-membro da Fifa terão um prazo de três anos para cumprir as regras. Na próxima temporada, que se inicia em 1 de julho de 2022 e termina em 30 de junho de 2023, um clube poderá ter no máximo oito jogadores emprestados e, da mesma forma, ceder outros oito. Depois, de 1 de julho de 2023 a 30 de junho de 2024, a configuração se mantém, mas com uma redução de oito para sete jogadores. Por fim, a partir de 1 de julho de 2024, a limitação será de seis atletas.

Essas medidas estavam previstas para serem colocadas em prática em julho de 2020, mas devido a pandemia da COVID-19, não puderam ser implementadas.

Compartilhe