MMA

UFC

Amanda Ribas volta à Ilha da Luta para duelo entre brasileiras no UFC

Embalada, mineira encara gaúcha Marina Rodriguez em Abu Dhabi

postado em 21/01/2021 09:02

(Foto: UFC/Divulgação)

Em alta no UFC, com boas atuações e quatro vitórias seguidas, Amanda Ribas volta à Ilha da Luta, em Abu Dhabi, em busca de mais um resultado positivo. A mineira de Varginha encara a gaúcha Marina Rodriguez, pelo peso palha (52kg), no duelo entre brasileiras no card principal do UFC 257, neste sábado, na Etihad Arena.

Aos 27 anos, Amanda ganhou as quatro lutas que disputou pelo UFC e ganhou prestígio na última delas, quando bateu a musa Paige VanZant, por finalização com chave de braço, em julho de 2020, em Abu Dhabi. No retorno à Ilha da Luta, a mineira busca ampliar a sequência, dessa vez no peso palha, já que vem de confronto pela divisão dos moscas (57kg).

Em entrevista ao SUPERESPORTES, Amanda Ribas se mostrou mais motivada que nunca para voltar a Abu Dhabi, agora com a presença de público, já que o UFC 257, ao contrário dos eventos na temporada passada, de portões fechados por causa da pandemia do coronavírus, receberá 2 mil torcedores na novíssima Etihad Arena. 

Animada com a boa preparação, dividida entre Varginha e a conceituada American Top Team (ATT), na Flórida, a mineira espera se firmar em definitivo entre as melhores do peso palha, embora garanta que não vai recusar outra oferta para subir aos moscas novamente. Sobre a adversária, que vem de derrota para a ex-campeã Carla Esparza, Amanda disse que o pensamento é usar o muay thai e nocautear, sem no entanto descartar a eficiência no jiu-jitsu no grappling.



Confira a entrevista com Amanda Ribas


Como será voltar à Ilha da Luta depois de ter uma boa exibição e sair com mais uma vitória no UFC?
 
Está sendo muito muito legal porque da primeira vez foi tudo novidade. Eu estava conhecendo o clima, as pessoas, a comida. Dessa vez eu já conheço, mas ainda assim me surpreendi com o carinho de todo mundo por aqui. E dessa vez vai ter público. Me considero uma sortuda. Eu lutei no primeiro evento sem público, em Brasília. Depois, lutei aqui na primeira edição da Ilha e agora volto a lutar na Ilha, mas com público. Eu estou me sentindo muito feliz, muito preparada. Fiz um camp ótimo. Está sendo demais. 
 
Você pediu para enfrentar Carla Esparza, chegou a ter Michelle Waterson como adversária, mas vai encarar outra brasileira, Marina Rodriguez. Muda muito a preparação para a luta?
 
Eu já tinha começado a fazer o camp para luta contra a Carla. Aí ela pediu pra adiar e mudou pra Michelle. Os dois camps foram complementados para a luta contra a Marina. Isso me ajudou muito a ficar preparada para a luta da Marina. Treinei muita trocação, grappling, chute. Isso tudo foi um complemento pra essa luta. 
 
Você vai voltar ao peso palha para a luta contra Marina. Há alguma preferência entre moscas e palhas, ou você considera que pode se adaptar sem problema a qualquer uma das divisões?
 
Da outra vez eu fiquei receosa porque ainda nao tinha lutado no peso-mosca no UFC, mas me senti super bem e forte. Fiquei com medo de ficar lenta ou pesada, mas funcionou super bem. A minha categoria mesmo é o peso-palha, e quero ir subindo no ranking dessa divisão, mas se o UFC oferecer mais luta no peso-mosca, eu aceito. 
 
Como é a experiência de treinar na American Top Team e ainda ter como parceira e conselheira a campeã Amanda Nunes?
 
Ah, é legal demais. Eu comecei fazendo camp na minha cidade e depois fui pra ATT no final do ano. Treinei no natal e ano novo. A Amanda estava com a NIna e a Reagan, a filha delas. A Nina me ajudou no camp, Amanda conversou muito. Elas são muito experientes. Às vezes tenho alguma dúvida e pergunto e ela é super aberta, isso é legal. Ela me dá muitas dicas, e eu sou muito curiosa, eu pergunto tudo. 
 
Alguns atletas preferem não enfrentar adversários do mesmo país. No seu caso, isso tem alguma importância?
 
Eu preferia não enfrentar, mas chega uma hora que nao tem como. As meninas estão se destacando muito. Vai afunilando e temos que lutar. Eu quero e espero muito que nós façamos a melhor luta das nossas vidas. Para todos verem que as brasileiras são muito boas e têm condições de serem campeãs e liderarem os rankings.  
 
Com a luta diante de Paige VanZant, você teve a oportunidade de se apresentar ao grande público, principalmente nos EUA. Muitos elogiam o seu carisma e simpatia. Você acha que chegou o seu momento no UFC?
 
Eu acho que não tem só um momento, tem vários momentos e a gente tem que tentar aproveitar. Da outra vez eu fiquei felizona que todo mundo gostou da minha entrevista. Eu consegui aproveitar o momento e a oportunidade. Agora também estou tendo um momento e oportunidade estou tentando aproveitar da mesma forma. 
 
Marina Rodriguez também busca espaço no UFC e tem na luta em pé um ponto forte. Você acha que poderá alcançar mais um degrau importante em caso de novo triunfo na Ilha da Luta?
 
Eu acho que uma vitória boa pode me colocar entre as top 5 da divisão. A Marina é uma atleta muito forte que ninguém queria enfrentar e eu já tava com luta marcada com a Carla e ela também estava em conversas. Dependendo de como vier a vitória, eu posso entrar no top 5. 
 
Você usou muito a luta agarrada nas últimas lutas, demonstrou bom preparo físico e também estratégia bem definida. Alguma surpresa prevista para o duelo no UFC 257? 
 
Eu quero mostrar um pouco do meu muay thai, já que a marina é muito boa na trocação. É uma boa oportunidade de me testar, mas lógico que vou levar pro chão se tiver oportunidade.

(Foto: UFC/Divulgação)


UFC 257: Poirier x McGregor II


sábado, 23 de janeiro
Etihad Arena, em Abu Dhabi
 
CARD PRINCIPAL (0h de Brasília)

Dustin Poirier x Conor McGregor - peso leve
Dan Hooker x Michael Chandler - peso leve
Jessica Eye x Joanne Calderwood - peso mosca
Matt Frevola x Ottman Azaitar - peso leve
Marina Rodriguez x Amanda Ribas - peso palha

CARD PRELIMINAR (20h30 de Brasília)

Brad Tavares x Antônio Cara de Sapato - peso médio
Arman Tsarukyan x Nasrat Haqparast - peso leve
Julianna Peña x Sara McMann - peso galo
Khalil Rountree Jr. x Marcin Prachnio - meio-pesado
Andrew Sanchez x Makhmud Muradov - peso médio
Amir Albazi x Zhalgas Zhumagulov - peso mosca
Nik Lentz x Movsar Evloev - peso pena
Amir Albazi x Zhalgas Zhumagulov - peso mosca

*Brasileiros em negrito

Tags: UFC abu dhabi Varginha peso palha Amanda Ribas Marina Rodriguez Ilha da Luta UFC 257