UAI

2

Com ajuda de campeão olímpico, Deiveson Figueiredo recupera cinturão do UFC

Deus da Guerra, como é chamado o paraense, deu troco em mexicano e agradeceu a Henry Cejudo, dono do ouro nos Jogos de Pequim

23/01/2022 18:16 / atualizado em 23/01/2022 18:24
compartilhe
Deiveson, o Deus da Guerra, é celebrado pela dupla Eric Albarracin (esq) e Henry Cejudo (dir)
foto: Katelyn Mulcahy/AFP

Deiveson, o Deus da Guerra, é celebrado pela dupla Eric Albarracin (esq) e Henry Cejudo (dir)


Foram quatro meses longe da família, com camp pesado de treinos nos EUA. Mas o esforço valeu a pena para Deiveson Figueiredo, que recuperou o cinturão peso-mosca do UFC. Na luta coprincipal da edição de número 270, em Anaheim, na Califórnia, o paraense deu o troco no mexicano Brandon Moreno, venceu por decisão unânime dos juízes e retomou o posto de campeão. 

O Deus da Guerra, como é conhecido o brasileiro, teve duelo muito equilibrado e movimentado diante do mexicano. Com intensa troca de golpes ao longo de cinco rounds, Deiveson foi declarado vencedor por triplo 48-47. O paraense deu o troco depois de perder o cinturão para Moreno no UFC 263, em junho de 2021, quando foi finalizado com mata-leão no terceiro round. Na trilogia entre os atletas, cada um ganhou uma vez e houve outro empate. 

Depois de ser declarado vencedor de forma unânime, Deiveson fez a festa no octógono e agradeceu a todos que participaram do camp de treinos na academia Fight Ready, no Arizona (EUA). Em especial, o brasileiro mirou Henry Cejudo, campeão olímpico no wrestling (luta olímpica) em 2008, em Pequim, e que deixou o UFC com dois cinturões, das divisões dos galos e dos moscas. 

"Eu amo esses caras, eu amo o Cejudo, eu amo o (Eric) Albarracin. Muito obrigado a Deus, pela saúde e pelo amor à minha família. Eu fiquei quatro meses sem ver a minha família, treinando para pegar o cinturão de volta, e foi o meu dia. Agradeço muito ao brandon moreno, que deu uma luta da noite para essa galera que veio aqui", afirmou o Deus da Guerra.



Deiveson adotou postura bem diferente à da luta anterior, quando foi finalizado pelo mexicano e perdeu o cinturão. Em Anaheim, o brasileiro mostrou mão pesada na trocação em pé e acertou golpes mais contundentes que o então campeão. O paraense disse que já mira um quarto confronto, inclusive na casa do adversário. "Foi uma luta fenomenal, as portas estão abertas para uma quarta luta contra o Brandon Moreno, no México", frisou.

Henry Cejudo, de 34 anos, abandonou o MMA e o UFC de forma precoce, depois de bater TJ Dillashaw e conquistar o cinturão dos moscas e fazer história ao ganhar também o título dos galos, ambos em 2019. Após defender o posto de campeão contra Dominick Cruz, em 2020, ele anunciou aposentadoria. Cejudo é casado com a brasileira Ana Karolina, com quem uma filha, America, nascida em 2021. 



BRASILEIROS CAMPEÕES

Com o cinturão de volta para Deiveson, o Brasil possui três campeões no UFC neste momento. O mineiro Glover Teixeira, de Sobrália, é dono do título dos meio-pesados (93kg). Já a baiana Amanda Nunes detém a cinta da divisão peso-pena (até 66kg). 

Compartilhe