Milton Neves afirma que Atlético busca, moralmente, o 'penta do Brasileiro'

Jornalista diz que o Galo não é tetracampeão devido à arbitragem

14/09/2021 17:25 / atualizado em 14/09/2021 19:36
compartilhe
Milton Neves carregando uma escultura do Galo, mascote do Clube Atlético Mineiro
foto: Divulgação / Instagram

Milton Neves carregando uma escultura do Galo, mascote do Clube Atlético Mineiro



Apesar de o Atlético ter conquistado apenas um título brasileiro em sua história, o jornalista Milton Neves crê que, moralmente, o Galo é tetracampeão nacional e vai em busca do pentacampeonato este ano. Para o colunista, tais conquistas não foram obtidas devido à fatores externos. 

Nesta terça-feira, o apresentador da TV Band publicou, em sua coluna, no portal UOL, quatro ocasiões em que o Atlético poderia se tornar campeão brasileiro, mas não conquistou tal feito supostamente devido à arbitragem. 

"Saibam que, no papel, o Atlético-MG busca mesmo neste ano o bi do Brasileirão. Mas, moralmente, o Galo busca em 2021 o seu quinto título brasileiro. (...) com o VAR, o Galo merecidamente vai deslanchar e empilhar bis, tris, tetras, pentas, hexas... Podem anotar!

AS QUATRO OCASIÕES 

Primeiramente, Milton Neves cita a final do campeonato nacional de 1980. Na oportunidade, o Galo enfrentou o Flamengo. Após vencer o jogo de ida por 1 a 0, no Mineirão, a equipe alvinegra teve três jogadores expulsos no duelo de volta, no Maracanã, perdendo a partida por 3 a 2. Apesar do empate no placar agregado, a equipe carioca se sagrou campeã devido à melhor campanha na semifinal. 

"Como esquecer do que aconteceu na final de 1980, com José de Assis Aragão, chamado em Minas até hoje de AraMengão? Dizem que ele está até hoje expulsando jogadores do Galo de campo para facilitar a vida do Flamengo naquela decisão", afirma Milton Neves. 

O jornalista relembra também a final do Campeonato Brasileiro de 1999. O Atlético, enfrentando o Corinthians no segundo jogo da decisão, teve um pênalti a seu favor que, de acordo com o colunista, não foi marcado. Como o Galo venceu a primeira partida e perdeu o segundo confronto, houve o terceiro duelo, que serviu de desempate. Embora a disputa tenha terminado em 0 a 0, os paulistas se tornaram campeões em virtude da melhor campanha na primeira fase da competição. 

"E pouca gente fala, mas a final de 1999 também foi uma vergonha! No segundo jogo da final, no Morumbi, Índio, do Corinthians, "jogou vôlei" na área, mas Marcio Rezende de Freitas não marcou claríssima penalidade. No contra-ataque, gol de Luizão (que não tinha culpa de nada e que realmente marcava gol de tudo quanto era jeito)". 

Neves mencionou ainda a campanha de 2012, na qual o Atlético terminou em segundo colocado. Para Milton, o Fluminense, campeão daquele ano, teve "incontáveis ajudas da arbitragem durante as 38 rodadas daquele Nacional, o que acabou minando o Galo, que foi novamente vice". 

Apesar de não ter sido uma circunstância vinda de um árbitro, o jornalista completa a lista recordando a punição que Reinaldo sofreu em 1977. Para Neves, o ex-atacante alvinegro foi impedido "estranhamente", pelo Tribunal Desportivo, de jogar a semi e a final do Campeonato Brasileiro, após ter agredido um adversário na partida contra o Fast Club. 

CARINHO PELO GALO 

Apesar de ser santista e amante do futebol do Rei Pelé, Neves nunca deixou de demonstrar seu afeto pelo Atlético. O jornalista, mineiro de Muzambinho, já recebeu o prêmio Galo de Prata - honraria máxima do clube alvinegro. O busto foi entregue ao escritor em outubro de 2001, em uma partida contra o Cruzeiro, pelo Campeonato Brasileiro.

Compartilhe