UAI


América não abrirá setor popular contra o Fortaleza; torcida questiona

Presidente do clube argumenta questões financeiras por falta de quórum

28/10/2021 11:55 / atualizado em 28/10/2021 12:13
compartilhe
Barra UNA - torcida que sempre frequenta o setor 6 - questiona decisão da diretoria
foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press

Barra UNA - torcida que sempre frequenta o setor 6 - questiona decisão da diretoria

O América decidiu não abrir o portão 6 do Independência na partida contra o Fortaleza, marcada para este sábado, às 21h, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. A ação do clube causou revolta em parte da torcida, principalmente na Barra UNA.

O perfil da Barra nas redes sociais questionou a decisão do Coelho em várias postagens ao longo da semana. Em uma delas, fez uma enquete, perguntando se outros torcedores também são favoráveis à abertura. Foram 223 votos, com 88,3% marcando a opção sim.



Apesar de o horário ser considerado ruim, a expectativa é que a torcida compareça em maior quantidade pelo fato de o América estar realizando a campanha Torcida Solidária, que permite a troca de ingressos por doações de quilos de alimentos não perecíveis. 

O presidente da UNA, Guilherme Saci, explica a importância do setor e diz que o fechamento do portão contradiz a campanha solidária e a política do clube de apoiar as normas sanitárias.    

"A hora é de economizar ou manter portões abertos para tentar popularizar o acesso? Não faz sentido promover a campanha da troca de ingressos (sugerida por Lucas Prates, integrante da UNA) e fechar um setor. O público está baixo, mas está em outros portões também. Visualmente, o setor 4 nem aparece", argumentou.

Saci também ressalta o fato de maior aglomeração em tempos de pandemia de COVID-19. Ele diz que, com a promoção e o possível aumento de torcedores no estádio, a tendência é que as pessoas fiquem mais perto umas das outras. 

O presidente da UNA ainda cita três fatores. Segundo ele, em 2016 foi elaborado um projeto de popularização do setor 6 – aprovado pelo América – em que consta uma categoria exclusiva para o portão. Além disso, Guilherme explica que o setor é uma área importante no 'processo gradativo de renovação da torcida'.

Por fim, a UNA alega que gostaria de estar presente no setor que frequenta em todos os jogos porque completará 32 anos de fundação no domingo, dia 31. Guilherme conclui dizendo que a torcida é totalmente contra limitar o acesso e acredita ser uma 'economia porca' por parte da diretoria. 
 

Fotos da volta da torcida do América ao Independência (6/10/2021)


O que diz o clube?


Em contato com a reportagem do Superesportes , o presidente Alencar da Silveira Júnior explicou o por quê do fechamento do setor. Segundo ele, a falta de quórum e a questão econômica pesaram para a decisão. 

"Toda economia, um centavo é economia para a gente. A torcida unida ali é muito maior. Com 25 mil a gente faz a festa do Sub-20, faz aluguel do estádio para o pessoal jogar. Se não formos economizar nas pequenas coisas, vamos virar outros clubes que estão aí, todos quebrados", afirma.

O dirigente também pede que a torcida fique unida neste momento, mas com o distanciamento social exigido por causa do risco de contágio pela COVID-19. Alencar ainda fala sobre a questão visual. 

"É só olhar quantos torcedores tiveram no último jogo. Acho que a torcida do América tem que concentrar – com o afastamento exigido – em um lugar só. Precisamos mostrar união, para quando a televisão mostrar, não vê 12, 15 pessoas em um setor daquele tamanho. Então, o próprio torcedor tem que entender", argumenta.

Questionado sobre a possibilidade de abrir o portão nos próximos jogos, o presidente do clube ressaltou novamente a necessidade de ter uma quantidade maior quantidade de pessoas. "Se for encher, nós vamos abrir. Fora disso, não tem como abrir um setor para ficar 20, 30 pessoas. Senão fica ruim para a gente mostrar isso em rede nacional. Nas próximas partidas, temos que avaliar o público. Se tiver gente, nós vamos abrir."

Alencar também afirmou que o clube tentou mudar o horário da partida, mas obteve resposta negativa da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Mesmo com os questionamentos, o dirigente convidou a torcida a ir ao jogo contra o Fortaleza e afirmou ter vontade de abrir todos os portões do estádio.  

"Todos das redes sociais são meus convidados para estarem no campo, em um jogo importante. O América precisa da torcida. Minha vontade era abrir todos os portões do Independência", finalizou. 


Compartilhe