COLUNA DO JAECI

Os clubes brasileiros não têm jeito mesmo!

Os dirigentes precisam tratar as exigências do Profut com mais responsabilidade e coerência. Continuar endividando suas instituições, sem que haja nenhuma punição, é uma vergonha!

postado em 18/04/2019 12:00 / atualizado em 18/04/2019 07:52

Dezoito clubes que aderiram ao Refis, através do Profut, voltaram a criar dívidas no valor de R$ 100 milhões com a União. São oito clubes da série A e 10 da B. O Atlético está fora dessa lista, pois tem cumprido aquilo que o Profut determinou. A dívida dos clubes é com relação a débitos tributários e previdenciários, Imposto de Renda, CSLL, PIS e Cofins, FGTS e INSS. As dívidas acumuladas chegam a R$ 2,2 bilhões. O Profut foi aprovado em 2015 e um dos objetivos era o de exigir certidões negativas para os clubes disputarem as competições. Pelo jeito, isso está indo por água abaixo. É preciso que haja mais responsabilidade, pois, se o cidadão não tem perdão de suas dívidas, por que os clubes de futebol têm essa prerrogativa.? Os dirigentes precisam tratar as exigências do Profut com mais responsabilidade e coerência. Continuar endividando suas instituições, sem que haja nenhuma punição, é uma vergonha!

Messi soberano
Depois da eliminação da Juventus, de Cristiano Ronaldo, pelo Ajax, terça-feira, na Liga dos Campeões da Europa, Messi reina soberano, com grande possibilidade de ganhar como melhor do mundo mais uma vez. Se isso acontecer, será sua sexta conquista. O português tem cinco também. O Barcelona está na semifinal depois de vencer o Manchester United. A nota negativa foi Philippe Coutinho, que fez um dos gols na vitória de terça-feira e mandou a torcida e a imprensa para aquele lugar. Coutinho tem recebido duras críticas por ter futebol bem abaixo do esperado. Sua atitude causou ainda mais revolta no torcedor da Catalunha, que espera que o clube negocie o jogador brasileiro na próxima temporada. O problema é que o presidente Bartomeu diz que vai manter Coutinho.

Rogério Ceni
<i>(Foto: Divulgação/Fortaleza)</i>

Se o Atlético contratar o técnico do Fortaleza, será um gol de placa. Ceni é ótimo caráter, conhece muito de futebol e é um estudioso. Conheci-o mais de perto na Copa da Ásia, em 2002, quando conversávamos muito. Percebi, já naquela época, que estava diante de um cara diferenciado, que conhecia esquema de jogo. Ceni fez mais de mil partidas pelo São Paulo e, como grande goleiro, enxergava o jogo todo. Chegou a hora de os dirigentes apostarem na nova geração de técnicos, mas é preciso que imprensa e torcedores tenham paciência para que o trabalho se desenvolva. Os técnicos mais velhos estão ficando ultrapassados e sem aquele ímpeto para o trabalho. É preciso formar uma nova geração da categoria, para o bem do futebol brasileiro. O ideal é juntar aquele que jogou bola com os acadêmicos, já que um pode completar o outro.

No Horto
Conforme antecipei no meu blog, o Galo vai fazer o jogo decisivo do Campeonato Mineiro, sábado, contra o Cruzeiro, no Independência. Naquele estádio, o Atlético teve vitórias épicas que o levaram a conquistar os principais títulos de sua história, na gestão do eterno presidente e mais vencedor, Alexandre Kalil – Libertadores e Copa do Brasil. Apesar de as finais terem sido no Mineirão, foi no Horto que o Galo virou partidas impossíveis e reverteu resultados improváveis. Ali, a torcida funga no cangote dos jogadores, que dão sempre um gás a mais. Eu disse que pelo time que tem, o Galo deveria ter atuado no Independência pela Copa Libertadores. Se isso tivesse acontecido, talvez não estivesse em posição crítica, praticamente eliminado. O Cruzeiro mantém o favoritismo para sábado, pois joga pelo empate. Mas a distância para o Atlético diminui. No seu terreiro, o Galo é forte e vingador.

Tags: atleticomg