BOLADAS E BOTINADAS

Imprevisível

postado em 02/07/2019 12:54

<i>(Foto: Son Salvador)</i>
A Argentina pode não estar num bom momento. Mas possui um elenco formado por jogadores que podem acordar, podem jogar muito mais. E tem aquela história do clássico Brasil e Argentina... Como adversários históricos, podem fazer um jogo imprevisível. O time do Tite está melhor equilibrado em sua defesa, ao passo que a equipe argentina se complica do meio-campo pra trás. É aí que aquele velhinho, que vê, escuta e discute futebol há muitos anos, repete aquela máxima: “O jogo será decidido nos detalhes”.
 
Agora, imaginem se o Messi resolver jogar tudo que sabe, se o Agüero se acertar, se o Gabriel Jesus achar o caminho do gol, se o Richarlison se livrar da caxumba e puder ser aquele atacante eficiente... Teremos o jogo do século!

ELE

Mais uma vez teremos o VAR como figura de destaque. Num jogo tão pegado, tão disputado, certamente a turma da telinha terá trabalho. Pena que o tal VAR esteja ainda se adaptando ao futebol. No caso dos gols, ele deixa quase sempre um grito parado no ar. A impressão que tenho é a de que o cara faz o gol, pula em comemoração, mas não volta ao gramado. Fica flutuando com a emoção contida até a definição dos árbitros. Aí, sim, ele volta ao normal e grita – de alegria ou de raiva. Mas grita.

PARADÃO

Se o VAR avisa que está revendo um lance, porque será que o árbitro fica no meio do gramado, com uma mão no ouvido e outra em riste, pedindo para os jogadores se afastarem? A cada jogo é a mesma coisa. Ora, se existe uma dúvida, que ele vá logo à cabine e confira o que ocorreu. É muito teatro.

CHATICE

Árbitro não é babá. É hora de acabar com aqueles avisos aos jogadores que ficam se engalfinhando dentro da área na hora da cobrança do escanteio. Eles sabem a regra do jogo, se querem segurar o adversário, que sejam punidos. A cada partida é sempre a mesma coisa. Os caras lutando sumô dentro da área e o apitador fazendo discurso. Ridículo.

EXEMPLO

Na Copa América, a arbitragem deveria adotar um padrão mais sóbrio, deveria exigir mais dos profissionais que estão em campo. Mas o que estamos vendo é uma postura amadora. Então, o VAR está pagando pelos erros e pela omissão dos árbitros e bandeirinhas.

PERU INDIGESTO

Parecia que o Uruguai passaria pelo Peru de maneira fácil. Mas, de uma certa forma, o time cometeu aquele erro que complica a equipe brasileira. Onde já se viu jogar com Cavani e Suárez e não conseguir fazer um gol? Claro, na disputa de pênaltis tudo ficou igual. Ali pesou a competência, mas também o azar...

AMAR É...

Quanto mais eu ouço os debates entre brasileiros e argentinos, mais eu chego à conclusão de que existe uma admiração mútua, claro, despistada, oculta nas entrelinhas, mas Brasil e Argentina se admiram. Mas outro dia estava conversando com o Orozimbo e lhe falei da minha admiração pela música argentina. Aprendi a ouvir tango numa vitrola que tocava discos em 78 rotações. Entre discos de Luiz Gonzaga, Nelson Gonçalves e outros tantos havia aquele com um tango tão bonito chamado La Cumparsita. Oró me corrigiu e disse que o autor da música era o uruguaio Geraldo Matos Rodriguez. Então argumentei: “Gosto muito dos tangos de Gardel. E tive que ouvir do meu amigo que Carlos Gardel era francês. Encerrei conversa. Orozimbo estava muito chato.

PROFETAS DO APOCALIPSE

Agora o papo é de que não temos centroavantes. Temos sim! Ocorre que eles ainda não são queridinhos da mídia. Ocorre que no Brasil ainda impera aquele pensamento limitador de que para jogar na Seleção tem que ter sido vendido para o exterior.

ELAS

Não adianta pensar no futebol feminino apenas tendo como objetivo a Seleção Brasileira. É preciso investir no esporte, é preciso dar às meninas a chance de uma boa iniciação. E isso vale para todas as modalidades esportivas.

Tags: Copa América selefut nacional seriea copaamerica