Mineira Ana Sátila faz história, mas erra na final e fica sem medalha

Natural de Iturama, atleta de 25 anos foi penalizada ao longo da prova de canoagem slalom C1 e não conseguiu o pódio; australiana foi campeã

compartilhe
Ana Sátila estreou na categoria C1 em uma edição de Jogos Olímpicos
foto: Wander Roberto/COB

Ana Sátila estreou na categoria C1 em uma edição de Jogos Olímpicos

A mineira Ana Sátila fez história como primeira brasileira a ir à decisão da canoagem slalom C1 nos Jogos Olímpicos. No entanto, a atleta nascida em Iturama, no Triângulo Mineiro, errou na final, não passou por uma das portas do percurso - foi penalizada com menos 50 segundos - e ficou sem a sonhada medalha na Olimpíada de Tóquio.

A prova, disputada no Centro de Canoagem Slalom de Kasai na madrugada desta quinta-feira (tarde no Japão), foi vencida pela australiana Jessica Fox. Ela era favorita ao ouro e, com tempo de 105,04 segundos, confirmou as expectativas.
 
Mallory Franklin, da Grã-Bretranha, e Andrea Herzog, da Alemanha, completaram o pódio, com prata e bronze, respectivamente. Ana Sátila se classificou com o terceiro melhor tempo da semifinal, mas foi a décima e última colocada na final.
 
"Estou muito triste, muito muito decepcionada. Estava me sentindo tão bem antes da final, preparada, feliz, dei o meu melhor, lutei muito. A penalidade que tive foi tentando, de verdade, alcançar medalha, porque sabia que já tinha alguns erros e estava um pouco longe do melhor tempo. Tentei melhorar, a penalidade prejudicou muito, mas antes estava muito feliz de estar fazendo final, ser a primeira mulher aqui. Estou entre as dez dos Jogos Olímpicos, tenho muito para revisar, aprender, olhar para frente e entender o que fiz de errado, melhorar", disse Sátila, ao Estado de Minas.
  
Ana Sátila, destaque desde cedo

Ana Sátila Vieira Vargas nasceu em 13 de março de 1996 em Iturama, cidade da Região do Triângulo Mineiro. Filha de Dona Márcia e seu Cláudio, incentivador para a natação - aos cinco anos - e posteriormente na canoagem - com nove -, Sátila despontou cedo para o esporte.
 
Ela se mudou cedo do município mineiro de cerca de 40 mil habitantes para a cidade de Primavera do Leste, em Mato Grosso, e depois ganhou o mundo. Prova disso é o fato de Ana Sátila ter sido a atleta mais jovem da delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.
 
Ela também se classificou para a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro, mas ainda não tinha conseguido chegar a uma final olímpica. Nas últimas duas edições de Jogos, ela disputou a categoria K1 e terminou em 16º e 17º, respectivamente. Em Tóquio, a mineira também não foi à final e terminou na categoria em 13º.

Ana Sátila é treinada pelo italiano Ettore Vivaldi - que também é seu marido - e competiu pela primeira vez na categoria C1 da canoagem slalom em uma Olimpíada. Mesmo sem pódio olímpico, a mineira tem diversas participações em Mundiais e foi terceira colocada em 2017 na C1.

Compartilhe