UM MOMENTO NA HISTÓRIA

Vídeo: os segredos da Seleção Brasileira em Guanajuato para conquistar o tri no México

Seleção Brasileira se preparou durante três semanas na pequena cidade mexicana antes da estreia

postado em 01/05/2018 08:00 / atualizado em 15/05/2018 19:17

O título da Copa do Mundo do México‘1970 não foi por acaso. Além de contar com alguns dos maiores gênios da história do futebol, a Seleção Brasileira teve uma longa preparação, com base em conhecimentos científicos pioneiros, no Rio de Janeiro, Guadalajara e na altitude da pequena Guanajuato, onde a equipe do técnico Zagallo se preparou nas três semanas que antecederam a estreia. As imagens raras dos treinos no México, resgatadas e digitalizadas a partir do acervo da extinta TV Itacolomi, dos Diários Associados, é o nono episódio da seção Um momento na história.

"Guanajuato recebe hoje a delegação do Brasil", destacava o Estado de Minas de 8/5/1970, informando que a Seleção Brasileira partiria naquele dia, de ônibus, de Guadalajara para a pequena cidade, distante 350 quilômetros em estrada asfaltada. "O ônibus que vai levar a delegação para Guanajuato é de luxo, mas não tem ar refrigerado. Por isso, os jogadores receberam ordem da chefia da delegação para usarem, durante a viagem, calção, camisa olímpica e quédis", contava o EM.

Depois de quase dois meses de preparação no Rio, a delegação brasileira embarcou sob desconfiança para o México em 1º/5/1970, no voo 814 da Varig, do Galeão a Guadalajara, com escala em Lima. Na primeira semana, os brasileiros ficaram hospedados na tranquila região da Chapalita, a poucos quilômetros do centro da cidade. Durante as folgas, os jogadores passeavam pela cidade e astros como Pelé, Tostão, Gérson e Carlos Alberto Torres eram os mais assediados.

A escolha por Guanajuato se deu com base na preparação física ideal dos atletas. A cidade ficava a 2.150m do nível do mar, que era a maior altitude que o Brasil enfrentaria no México. Pela primeira vez, a seleção contava com comissão completa, entre eles os preparadores físicos Carlos Alberto Parreira e Cláudio Coutinho, futuros treinadores do Brasil em Copa.

Em Guanajuato, o Brasil ficou hospedado no parador San Javier, que só ficou pronto às vésperas da chegada da Seleção. De lá, o Brasil saiu apenas duas vezes, para enfrentar o Irapuato e o León. Piazza, titular da Seleção na Copa, lembra que os dias em Guanajuato foram fundamentais para que o time se unisse. “Em Guanajuato, começamos a formar um grupo, que orava todas as noites. Éramos cinco ou seis. Quando chegamos à final, foi formando uma união tão grande que até os cozinheiros, roupeiros, rezavam junto com a gente”, conta o volante do Cruzeiro, que jogou recuado como quarto zagueiro.  

O Brasil deixou Guanajuato em 28 de maio, cinco dias antes da estreia contra a Tchecoslováquia – goleada por 4 a 1. No México, o Brasil venceu todos seus seis jogos, com Jairzinho, o Furacão da Copa, balançando a rede em todos. Com o triunfo por 4 a 1 sobre a Itália, a Seleção conquistou o tricampeonato e a posse definitiva da taça Jules Rimet.

 

O Cruzeiro/EM/D.A. Press
 

Tags: futinternacional futnacional selefut copa2018 interiormg americamg atleticomg cruzeiroec