Veja como o América se portou em decisões recentes quando tinha a vantagem

Sob o comando de Lisca, Coelho apostou na solidez defensiva para garantir classificações contra Corinthians e Internacional

06/05/2021 06:00 / atualizado em 05/05/2021 22:02
compartilhe
Lisca apostou na solidez defensiva nos confrontos em que tinha vantagem e conduziu o América à classificações históricas
foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press

Lisca apostou na solidez defensiva nos confrontos em que tinha vantagem e conduziu o América à classificações históricas

O América recebe o Cruzeiro no próximo domingo (9), às 16h, no Independência, em Belo Horizonte, em partida de volta das semifinais do Campeonato Mineiro. O Coelho pode perder até por um gol de diferença que, ainda assim, se classificará para a grande decisão - por ter vencido o primeiro jogo por 2 a 1 e também por ter tido melhor colocação na primeira fase. O Superesportes relembra, a seguir, como o América se portou em decisões recentes quando tinha a vantagem.

Jogos de mata-mata em que o América de Lisca construiu vantagens


  • 28/10/2020 - Corinthians 0x1 América - Oitavas de final da Copa do Brasil
  • 04/11/2020 - América 1x1 Corinthians - Oitavas de final da Copa do Brasil

  • 11/11/2020 - Internacional 0x1 América - Quartas de final da Copa do Brasil
  • 18/11/2020 - América (6) 0x1 (5) Internacional - Quartas de final da Copa do Brasil

Pelo próprio contexto das partidas contra Corinthians e Internacional - clubes com capacidades de investimento muito superiores -, o América priorizou a solidez defensiva e apostou nos contra-ataques nos confrontos de volta. A equipe de Lisca apresentou consistência para proteger a própria baliza e organização para ameaçar os adversários ao recuperar a bola.

América 1x1 Corinthians


América 1 x 1 Corinthians: fotos do jogo pela Copa do Brasil

 
Após vitória histórica sobre o Corinthians na Neo Química Arena, em São Paulo, o Coelho foi a campo no Independência com: Matheus Cavichioli, Diego Ferreira, Messias, Anderson e João Paulo; Zé Ricardo, Juninho e Geovane; Felipe Azevedo, Ademir e Vitão. Desses nomes, apenas Messias (negociado com o Ceará), Geovane e Vitão não fazem mais parte da atual formação titular do América.

No confronto em Belo Horizonte, a estratégia de Lisca funcionou bem. Mesmo com menos posse de bola, o América sofreu pouco defensivamente e levou muito perigo nas oportunidades que teve para contra-atacar.

O Coelho foi tão eficiente na missão de fechar espaços e dificultar as investidas do Corinthians que teve quase o dobro de finalizações (19 a 10). Quando recuperava a posse, a equipe de Lisca apostava principalmente em passes rápidos para encontrar seus pontas, Ademir e Felipe Azevedo, disparando em velocidade. Juninho também esteve em grande noite, e suas arrancadas do campo de defesa ao campo de ataque foram uma grande 'válvula de escape' para o Coelho.
 
É interessante destacar que o bom trabalho defensivo do América em nada se assemelhou às tradicionais 'retrancas', com vários atletas próximos a área, preocupados somente em não sofrer gols. O time de Lisca congestionou o meio-campo e, em diversos momentos, subiu a marcação para incomodar a saída de bola do Corinthians - postura que se espera que a equipe vá repetir no próximo fim de semana, contra o Cruzeiro. 

Fagner, de pênalti, foi o autor do gol do Timão aos 15 minutos da segunda etapa. Também em cobrança de penalidade, Rodolfo igualou o confronto e deu a classificação ao América aos 41 minutos da etapa final. Relembre, no vídeo a seguir, os gols da partida.

Dados do confronto, pelo aplicativo SofaScore


América x Corinthians

  • Posse de bola: 40% x 60%
  • Passes: 313 x 469
  • Finalizações: 19 x 10
  • Finalizações no gol: 7 x 2
  • Grandes oportunidades: 2 x 2
  • Interceptações: 17 x 9
  • Cortes: 32 x 22

América (6) 1x1 (5) Internacional


América x Internacional: fotos do jogo em BH pela Copa do Brasil

Após outro triunfo memorável na Copa do Brasil, desta vez sobre o Internacional, em Porto Alegre, o Coelho foi a campo no Independência com: Matheus Cavichioli, Diego Ferreira, Messias, Anderson e João Paulo; Flávio, Juninho e Geovane; Felipe Azevedo, Ademir e Rodolfo. Dessa formação, apenas Messias, Flávio e Geovane não integram a atual equipe titular de Lisca.


Nessa oportunidade, o confronto se demonstrou ainda mais complicado para o América, que passou a maior parte do jogo sem a bola e se viu obrigado a redobrar a atenção defensiva diante dos muitos cruzamentos tentados pelo Internacional (34, contra sete do Coelho). Neste sentido, Messias e Anderson foram fundamentais, com excelente senso de posicionamento e presença para afastar o perigo com cortes.
 
No confronto, o América teve poucas reais ocasiões de perigo. A maior ameaça surgiu a partir de uma cobrança de falta de Geovane, já no segundo tempo, que obrigou Marcelo Lomba a fazer boa defesa. O time de Lisca não teve tanto sucesso nos contra-ataques como na fase anterior, contra o Corinthians e, na etapa complementar, se viu exposto a um verdadeiro cenário de 'ataque contra defesa'. Com uma postura mais agressiva e impetuosa que o Corinthians, o Internacional 'empurrou' o Coelho para trás.

Assim, mesmo após um trabalho excepcional no momento sem bola, o América foi punido aos 50 minutos do segundo tempo, em um dos raros lances de desatenção defensiva. Depois de uma cobrança de falta, a bola sobrou limpa para Yuri Alberto na área, que empurrou para as redes.

Nos pênaltis, o Coelho contou com dois erros em cobranças do Internacional para fazer história e alcançar as semifinais pela primeira vez. Relembre, no vídeo a seguir, os gols da partida.

Dados do confronto, pelo aplicativo SofaScore


América x Internacional

  • Posse de bola: 23% x 77%
  • Passes: 216 x 723
  • Finalizações: 7 x 12
  • Finalizações no gol: 2 x 3
  • Grandes oportunidades: 0 x 1
  • Interceptações: 26 x 14
  • Cortes: 28 x 15

Em termos de proteção da própria área, nestes confrontos, o América contava com um jogador que, provavelmente, vivia seu melhor momento com a camisa do clube. Emplacando grandes atuações, o zagueiro Messias foi responsável por 20 dos 60 (33%) cortes realizados pelo Coelho nesses dois jogos.

Após a saída de Messias, Eduardo Bauermann voltou a se firmar no time titular e, agora, é o novo companheiro de zaga de Anderson. O jogador também se destaca pelo seu bom posicionamento defensivo e capacidade de proteger a área.

Respaldado pelo bom desempenho recente em confrontos de mata-mata, o Coelho almeja mais uma classificação - dessa vez, às finais do Campeonato Mineiro. A equipe enfrentará o Cruzeiro no próximo domingo (9), às 16h, no Independência, em Belo Horizonte.

Compartilhe