UAI

2

Salum exigirá de investidor que América tenha 'real participação' na SAF

América já disputará as competições da próxima temporada com nova razão social

22/12/2021 21:04 / atualizado em 22/12/2021 21:23
compartilhe
Salum quer que América tenha algum controle de decisões  no futebol
foto: Mourão Panda / América

Salum quer que América tenha algum controle de decisões no futebol


O coordenador de futebol clube-empresa do América, Marcus Salum, confirmou nesta quarta-feira que a Sociedade Anônima do Futebol (SAF) iniciará atividades em janeiro após uma reunião definitiva com o investidor escolhido. Tão logo bata o martelo, o clube transferirá para a nova empresa todos os atletas e o comando do futebol. Uma das pendências é justamente a manutenção de algum controle no departamento.

O Coelho ainda não revelou qual percentual das ações manterá na SAF após a entrada do investidor.

"Esse detalhe é que eu vou acertar com o investidor e tem que ficar do jeito que eu quero porque a gente vem tocando tudo e a gente tem um conhecimento que qualquer pessoa externa não tem do América e do futebol brasileiro. Então, temos que achar uma harmonia de trabalho onde o América tenha uma real participação. Não pode simplesmente se afastar e dar a outra pessoa. Nós não vamos concordar com isso", disse Salum durante o programa Bastidores, da Rádio Itatiaia.

O América já definiu o seu investidor há alguns meses. O presidente do clube, Alencar da Silveira Júnior, chegou a declarar na última semana que o anúncio oficial será no dia 21 de janeiro, uma sexta-feira, a cinco dias da estreia do Coelho no Campeonato Mineiro contra a Caldense, em Poços de Caldas.

Salum explicou que a assinatura definitiva do contrato exige cuidados como um equilíbrio entre os interesses esportivos do América e as pretensões comerciais do investidor, que visa o lucro no negócio.

"Nosso problema não é ter o investidor, não é fazer o acerto, nosso problema é acertar detalhes e tomar as decisões. Pouca gente tem noção do que é transformar o América numa SAF, passar o futebol e todos os jogadores para uma nova empresa e ter um sócio capitalista. Às vezes as pessoas têm uma visão um pouco equivocada disso. Você vai abrir mão de muito poder, o Conselho vai abrir mão de poder, então, esse processo tem que estar muito bem consolidado dentro do clube. E isso nós estamos trabalhando quase que diariamente para consolidar isso".

"Temos ainda um pequeno acerto de números e de forma do clube começar a operar no modelo SAF.  Esses acertos estão programados para o início de janeiro. Nós estamos internamente acabando de acertar isso com a Ernst & Young e com o escritório da Portugal Vilela e assim que acabar vamos chamar o investidor, colocar as cartas na mesa. Se estiver tudo certo, vamos subir para a SAF. Mas confesso que isso me tira o sono. Não é fácil", declarou Salum.

Com a alteração para SAF aprovada na Assembleia, o América já disputará as competições da próxima temporada com nova razão social. Ativos do clube, todos os atletas serão transferidos para a Sociedade Anônima do Futebol.

O patrimônio imobiliário do clube será mantido e não entra na parceria com o  investidor.

A identidade visual do América, como cores e escudo, também será preservada. O sócio na SAF terá atuação apenas na gestão do futebol.

Joseph DaGrosa


O bilionário norte-americano Joseph DaGrosa é o investidor apontado como futuro parceiro do América na SAF. 
 
O patrimônio de DaGrosa está avaliado em US$ 3,5 bilhões - cerca de R$ 19,3 bilhões na cotação atual. Nos últimos anos, o investidor voltou suas atenções ao futebol e tentou firmar parcerias com Roma, Southampton e Newcastle no futebol europeu, mas as tratativas não avançaram.
 
A Kapital Football, uma das companhias geridas por DaGrosa, quer administrar clubes pelo mundo - em um modelo parecido com o da Red Bull e o do City Group. 

Compartilhe