UAI

2

Salum revela bastidores da volta de Mancini ao América: 'Não guardo mágoa'

Atual técnico do Coelho deixou a equipe em bom momento na temporada passada, mas teve a confiança da diretoria para retornar ao clube em 2022

14/05/2022 06:00 / atualizado em 13/05/2022 15:15
compartilhe
Salum revelou que Mancini era o favorito ao cargo desde a saída de Marquinhos Santos
foto: Mourão Panda/América

Salum revelou que Mancini era o favorito ao cargo desde a saída de Marquinhos Santos


O técnico Vagner Mancini retornou ao América após uma saída polêmica na temporada passada. Em entrevista ao Superesportes, Marcus Salum, presidente da SAF do clube, revelou bastidores do retorno do profissional e garantiu que não 'guarda muita mágoa'. 


 
A volta de Mancini ao Coelho ocorreu em abril deste ano, após a demissão de Marquinhos Santos, que não agradava mais à diretoria pelo desempenho e resultados da equipe. A decisão de desligar o treinador foi tomada por Salum, que visitava a filha no Paraná.
 
Quando retornava para Belo Horizonte, o dirigente do América iniciava a busca por um novo comandante, mas já tinha um nome como o preferido. 
 
"Eu estava pensando como eu iria fazer, qual era o nome, discuti com o Euler (Araújo, membro do conselho administrativo), Alencar (da Silveira Junior, presidente do clube), toda a diretoria, sempre fazemos em conjunto. Eu queria o Mancini, por tudo que aconteceu no período. Estava digerindo essa possibilidade. Sou um cara que não guarda muita mágoa", explicou.
 
Salum ainda revelou ter ligado para o técnico após o avanço do time à fase de grupos na Copa Libertadores. "Quando o América se classificou na Libertadores, mandei uma mensagem para o Mancini, dizendo, 'quero que você saiba que foi um dos responsáveis pela alegria que temos hoje'. Liguei para o Lisca e agradeci."
 
Na primeira passagem pelo clube, Vagner Mancini comandou o América em 21 partidas e somou sete vitórias, nove empates e cinco derrotas (47,6% de aproveitamento). Sob seu comando, o Coelho marcou 24 gols e sofreu 23.
 
"Tenho convicção de que vamos sair do rebaixamento. E tenho certeza de que vamos ter um time extremamente competitivo no ano que vem. Um time que vai poder ganhar muita coisa", afirmou o técnico na ocasião, ao explicar a saída para o Grêmio, que estava na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. 
 

O retorno e possível saída

 
Após a demissão de Marquinhos Santos, Salum recebeu uma mensagem do empresário de Mancini. Para o dirigente, que já tinha o técnico como favorito para o cargo, isso bastou para tomar a decisão final. 



"Recebi uma mensagem do empresário do Mancini, 'não está na hora de fazermos as pazes?'. Foi o estopim de tudo, eu já estava querendo e decidi. Acho que também tem que se olhar o outro lado, o dinheiro que foi oferecido ao Mancini. A forma foi errada, mas foi no mínimo quatro vezes mais do que ele ganhava do América", explicou.

Questionado sobre uma possível nova saída de Mancini, o presidente da SAF evitou fazer projeções, mas disse que é importante não trabalhar com esse pensamento. 

"Se o Mancini, que eu não acredito que faça, tome essa decisão de novo, é da personalidade dele, do caráter dele, e eu não posso fazer nada. Só me cabe falar agora chega, vamos colocar outro nome. Eu não posso trabalhar com esse 'ferro fincado' na minha cabeça. Tenho que ter certeza que nosso trabalho é o suficiente, independentemente de técnico", garantiu Salum.

Desde a volta de Mancini, o América venceu quatro partidas, empatou uma e perdeu três. O próximo confronto do time será contra o Coritiba, neste domingo (15), às 17h30, no Couto Pereira, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. 

Compartilhe