UAI

2

Filme sobre a história do Atlético será exibido em festival na Holanda

'Lutar, lutar, lutar' estreará no Festival de Roterdã, um dos mais renomados da Europa

02/06/2021 06:00 / atualizado em 01/06/2021 23:10
compartilhe
Filme conta com participação de Reinaldo, ídolo do Atlético, em entrevistas
foto: Reprodução

Filme conta com participação de Reinaldo, ídolo do Atlético, em entrevistas

O filme Lutar, lutar, lutar’, uma produção sobre a história do Atlético, será exibido no Festival Internacional de Cinema de Roterdã, na Holanda, nesta quarta-feira (2). O longa é dirigido pelos cineastas mineiros Helvécio Marins Júnior e Sérgio Borges, e tem roteiro e produção do jornalista Fred Melo Paiva, colunista do jornal Estado de Minas.

O Festival de Roterdã, realizado anualmente, é um dos cinco maiores da Europa - ao lado de Cannes, Veneza, Berlim e Locarno. O documentário, que mostra a redenção do Atlético ao longo de toda sua história, desde 1908 até a conquista da Copa do Brasil de 2014, já havia estreado em março no Festival de Buenos Aires, na Argentina.

O filme tem 110 minutos de duração e é fruto de um trabalho que reuniu 400 horas de material, incluindo imagens de arquivo do jornal Estado de Minas e da TV Alterosa. Mais de 50 pessoas foram entrevistadas no processo, dentre elas ex-jogadores, técnicos, antigos dirigentes e jornalistas. Após a estreia na Argentina, 'Lutar, Lutar, Lutar' será inicialmente exibido pela ESPN, co-produtora do filme.

A produção também relembra os fracassos e as glórias do Galo em campeonatos estaduais, nacionais e continentais. Destaque também para a trajetória da equipe alvinegra na Série B do Campeonato Brasileiro de 2006 e na Copa Libertadores da América de 2013.

O documentário tem a participação de vários convidados. O ex-atacante Vavá, remanescente da geração da década de 1950, que excursionou com o clube na famosa viagem dos Campeões do Gelo à Europa, é um dos entrevistados. Reinaldo, Éder Aleixo, Toninho Cerezo e Luizinho, craques dos anos 1980, e atletas campeões da Copa Libertadores de 2013 estão presentes.
 

Entrevista


O Superesportes conversou com Sérgio Borges, um dos diretores da obra. Ele destacou a satisfação da equipe de produção com o alcance e a repercussão de ‘Lutar, lutar, lutar’.

“O filme já havia estreado em março, em Buenos Aires, e agora terá sua estreia europeia. É um dos festivais mais importantes do mundo. A gente está muito feliz com essa história. Coincidentemente, os dois lugares em que o filme foi exibido têm povos que amam o futebol”, afirmou.

O diretor avaliou a importância do reconhecimento obtido pela exibição no Festival de Roterdã, que preza, evidentemente, pela qualidade da produção cinematográfica.

“Vamos poder mostrar um pouco da história do Galo para o pessoal da Holanda, que é um lugar onde o Reinaldo morou também. Um povo que gosta muito de futebol. Esse é um festival que também está preocupado, em termos cinematográficos, se é um bom filme ou não - em termos estéticos, em termos de linguagem de cinema. Acho que a gente conseguiu unir isso nessa produção. Um filme legal cinematograficamente para quem é torcedor e para quem gosta de futebol”, disse.
Ao Superesportes, Sérgio relatou as principais dificuldades no processo de produção do longa. Entre a principal delas, o denso material de arquivo que serviu de fonte para o filme.

“A gente não condensa a história inteira, mas selecionou boa parte dos momentos marcantes. Um grande desafio de um filme como esse era ir atrás dos materiais de arquivo, encontrar seus autores. A gente estava lidando com 400, 500 horas de material de arquivo. Foi um processo de montagem longo, foram aparecendo coisas novas. Fora o desafio de recursos, que fazer cinema no Brasil impõe”, revelou.

Por fim, o diretor projetou a estreia de ‘Lutar, lutar, lutar’ nas salas de cinema do Brasil após a pandemia. A produção também será exibida na televisão após sua estreia em solo nacional.

“A gente está esperando a pandemia passar para mostrar para a torcida, que é o nosso público-alvo. Vamos tentar segurar um pouco, esperar as salas de cinema abrirem. O filme também tem parceria com a ESPN e será exibido na TV depois. Na Holanda, o filme vai passar nas salas de cinema e vamos conversar em algumas sessões com o público online”, finalizou Sérgio.
 

Sinopse do filme


"Todo clube de futebol deveria ter uma dupla de torcedores fanáticos como os respeitados cineastas brasileiros Sérgio Borges e Helvécio Marins Jr., ambos com longa-metragem apresentados em Roterdã. Eles começaram a fazer este documentário candidamente apaixonado e envolvente em 2013, quando seu clube, o Clube Atlético Mineiro - mais conhecido como Galo - finalmente venceu a Copa Libertadores. Não apenas como uma homenagem a jogadores lendários e subestimados como Reinaldo - que pode ter sido um jogador ainda melhor do que Pelé. Mas também para iluminar décadas de injustiça, de perder troféus, de oposição arbitrária e racismo que permitiu aos poderes instituídos favorecer de forma consistente e injusta os grandes clubes cariocas.
 
A paixão dos fãs é intensificada pelo som e pelas imagens do filme, que transmitem seu amor de forma poderosa ao espectador. Por fim, e apropriadamente para esse tipo de história épica, o amor pelo clube e pelo jogo ganha o dia: neste caso, com uma ajudinha de Ronaldinho."

Compartilhe