UAI

2

Presidente desconversa sobre continuidade de Tchê Tchê no Atlético

Tendência é que meio-campista, que tem contrato com o Galo até o fim de maio, deixe o clube e retorne ao São Paulo; continuidade não está descartada

Tchê Tchê tem vínculo com o Alvinegro até o fim de maio
foto: Pedro Souza/Atlético

Tchê Tchê tem vínculo com o Alvinegro até o fim de maio

Tchê Tchê é o jogador com contrato mais curto no elenco do Atlético. Emprestado pelo São Paulo, o meio-campista tem vínculo com o Galo até o fim de maio. Não existe ainda uma definição se ele continua ou não no clube. As conversas sobre o futuro do atleta devem começar apenas no próximo mês.

A tendência é que Tchê Tchê não siga no Atlético. O Alvinegro teria que comprar o jogador do São Paulo, algo que não está nos planos, especialmente pela condição financeira do clube na temporada. Apesar disso, existe a chance da continuidade com um novo empréstimo, desta vez até o fim de 2022. Essa hipótese não está descartada, mas a diretoria do Galo terá trabalho para convencer o Tricolor a liberá-lo.

O presidente Sérgio Coelho, em entrevista exclusiva ao Superesportes, desconversou sobre o futuro de Tchê Tchê. O mandatário afirmou que o técnico Turco Mohamed precisa avaliar melhor o jogador antes de qualquer definição. Ele diz ainda que o assunto não foi tratado pela diretoria. 

"O treinador chegou há muito pouco tempo. Então, é preciso que o treinador tenha um tempo maior para avaliar a questão do Tchê Tchê continuar ou não. Acredito que daqui um mês será a hora de a gente falar sobre isso. Temos que saber também se o São Paulo quer que ele permaneça no Atlético, se o São Paulo vai reintegrá-lo ao clube, se o Tchê Tchê quer ou não. Esse assunto ainda não foi tratado por nós".

Muito utilizado pelo técnico Cuca em 2021, Tchê Tchê perdeu espaço em 2022 com Antonio Mohamed. Até aqui, são apenas seis jogos disputados, sendo quatro como titular (todos quando uma equipe alternativa entrou em campo).

Recentemente, o nome de Tchê Tchê foi envolvido em uma especulação de troca de jogadores entre São Paulo e Santos. As conversas, no entanto, não foram adiante. O Atlético, parte envolvida por ter os direitos do meio-campista até o fim de maio, não aceitou liberá-lo antes do fim do vínculo.


Compartilhe