UAI

2

Atlético: torcedor busca doações para terminar maquete da Arena MRV

Desempregado, Anderson Francisco da Silva Dias cuida da noiva, Sabrina Santos, que sofreu um AVC no ano passado, e executa a reprodução do estádio

10/06/2022 13:04 / atualizado em 10/06/2022 15:37
compartilhe
Imagem do projeto feito por Anderson Dias
foto: Arquivo Pessoal

Imagem do projeto feito por Anderson Dias


"Lutar, lutar, lutar / Com toda nossa raça pra vencer". O hino do Atlético está longe de ser uma abstração e acaba inspirando muitos atleticanos que vivem as adversidades do dia a dia, caso do desempregado Anderson Francisco da Silva Dias, de 34 anos. Hoje, ele cuida da noiva, Sabrina Francisca Gomes Santos, de 25 anos, que sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC), no ano passado. Quando sobra um tempo, o artesão executa a construção da maquete da Arena MRV, cuja finalização depende de doações.


Mesmo com as dificuldades, Anderson aparenta uma voz tranquila e demonstra otimismo do outro lado da linha telefônica. Ao Superesportes, ele explica os momentos de tensão ao lado da companheira. "Minha noiva sofreu o AVC em 21 de março de 2021. E, quando ela voltou para casa, eu e minha sogra resolvemos que apenas um trabalharia e o outro ficaria com ela. Por isso, hoje eu não trabalho fora".

Sabrina começou a se recuperar, mas ainda está com os movimentos de uma parte do corpo comprometidos. Ela também sofre crises convulsivas, consequências do AVC. "Ela já teve duas convulsões. Não podemos nos descuidar. Alguém tem que ficar ao lado dela", contou.

Quem paga as contas da casa é a sogra de Anderson, Claudia Aparecida Gomes Santos, que é faxineira. Anderson trabalhava na área da limpeza no batalhão do Corpo de Bombeiros de Contagem, mas acabou deixando o posto em um acordo com a empresa que executa a faxina no local.

Anderson Dias, no centro, ao lado do primo Miguel Gomes e da noiva Sabrina Gomes
foto: Arquivo Pessoal

Anderson Dias, no centro, ao lado do primo Miguel Gomes e da noiva Sabrina Gomes


Arena MRV

Arena MRV está 60% pronta; veja fotos inéditas



Hoje, Anderson busca doações para terminar a maquete e pretende vendê-la ao final do projeto para custear o seu trabalho.

"Depois de um tempo em casa, resolvi levantar a cabeça e começar a vida. Achei papelão na rua e comecei a fazer a maquete sem dinheiro nenhum. Achei um forro de PVC para fazer parte do teto. Também contei com a ajuda do cabo Tiago de Souza, do Corpo de Bombeiros, e da esposa dele, a Jéssica Paula Carvalho Gandra, que me ajudaram com dinheiro para comprar cola e tinta", afirma Anderson.

"Eu queria doar a maquete para o Atlético, mas preciso de dinheiro, pois estou desempregado", disse.

Anderson estima que vai gastar entre R$ 1 mil e R$ 1,5 mil com a maquete, que terá cerca de 5,5 metros. Por enquanto, ele não tem dinheiro nem parte dos insumos para finalizar o projeto. "Vou fazer todo revestimento de PVC, vou colocar grama sintética, lâmpada de led, vidro por cima, decoração com carrinho de brinquedo no estacionamento".

Arena MRV começa a ganhar forma de maquete
foto: Arquivo Pessoal

Arena MRV começa a ganhar forma de maquete


"É um sonho este projeto para mim, assim como a Arena MRV é um sonho para toda torcida do Atlético. Tenho um sonho de conhecer o estádio do Galo com a minha noiva, quando ela estiver melhor. Ela também me ajuda na pintura e em outras atividades da maquete, é até uma fisioterapia para ela", acrescentou.

A maquete da Arena MRV deve ficar pronta antes da inauguração do estádio. Ele acredita que terminará o processo em quatro meses, caso tenha todos os recursos disponíveis. Anderson posta alguns vídeos no seu Instagram pessoal, o Andersonfrdias, canal no qual pode ser contactado para doações. 

Artesão

Maquete do Corpo de Bombeiros feita por Anderson
foto: Arquivo Pessoal

Maquete do Corpo de Bombeiros feita por Anderson



Anderson já tem um grande trabalho. No ano passado, ele construiu uma maquete do 2º Batalhão de Bombeiros Militar de Contagem. As fotos mostram os detalhes da obra que demorou seis meses para ser executada.

Como trabalhava de faxineiro do Corpo de Bombeiros no horário comercial, ele aproveitava o tempo antes do expediente para fazer o artesanato. Quando presenteou os Bombeiros, Anderson virou notícia em um canal de TV. "A gente fez uma entrega e foi tudo filmado e transmitido para toda Minas Gerais", conta ele, orgulhoso.

Atlético


Apesar do momento de oscilação, Anderson acredita que o Atlético conseguirá voltar a ser o time que foi em 2021. "O time está bom, mas está faltando entrosamento da zaga, mas acho que o Turco vai conseguir organizar o time, tem que apoiar nessas horas", disse.



Compartilhe